Anvisa interdita remédios com desvio de qualidade

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou hoje quatro medicamentos que apresentaram lotes com desvio de qualidade. Segundo a Agência, o lote nº 0031201, do Florax, produzido pelo laboratório Hebron (Caruaru-PE) tinha presença de microorganismos. O medicamento para o tratamento da diarréia foi analisado a pedido da Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso. Utilizado para o tratamento da tuberculose a Isoniazida 200 mg + Rifampicina 300 mg, feito pelo laboratório da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Nuplam), também está com o lote nº 0203006 interditado. De acordo com a Anvisa, a dissolução da cápsula no organismo está abaixo dos padrões admitidos. O lote nº 010205 do antiulceroso Droxaine, fabricado pelo Laboratório Daudt Oliveira Ltda (Tiriaçú-RJ), apresentou contagem de bactérias aeróbicas acima do permitido, informa a Agência. E o Cloreto de Benzalcônio, lote nº 3862 produzido pela Fundação para o Remédio Popular (Furp), de São Paulo, está com o PH acima do permitido e taxa de princípio ativo de somente 36%, quando o delimitado é de 90 a 110%, alerta a Anvisa.Todos os lotes foram avaliados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fundação Oswaldo Cruz por solicitação das secretarias de Saúde do Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Paraná, respectivamente. As medidas valem por 90 dias e devem ser cumpridas imediatamente. A Anvisa informa que dentro deste prazo as empresas poderão solicitar contra-prova em relação ao resultado oficial. Pontos de venda, distribuidores e unidades de saúde que desrespeitem as resoluções serão notificadas e poderão receber multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão. A fiscalização será feita pelas vigilâncias sanitárias locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.