JBS
JBS

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Anvisa proíbe venda de lotes de frango da Perdigão por suspeita de salmonela

Decisão foi publicada no 'Diário Oficial' da União; na quarta-feira, marca da BRF convocou recall voluntário de 464 toneladas de frango

Tânia Rabello, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2019 | 11h46

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distribuição e comercialização no País de vários lotes de carne de frango da marca Perdigão, da BRF, como consta no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 14.

Conforme a Resolução 389, de 13 de fevereiro de 2019, publicada no DOU, a Anvisa considera e destaca na proibição o comunicado de "recolhimento voluntário" encaminhado pela BRF (donas da marca Sadia e Perdigão), em decorrência da contaminação microbiológica por Salmonella Enteritidis em diversos lotes de carne de frango produzidos pela unidade da cidade de Dourados (MS).

Além disso, a agência determina que a empresa promova o recolhimento do estoque existente no mercado referente aos lotes citados na resolução.

Recall

Ontem, quarta-feira, 13, a BRF anunciou um recall voluntário de 464 toneladas de frango com a marca Perdigão por risco de presença da bactéria salmonela. Os lotes de alguns produtos de carne de frango in natura a serem recolhidos de forma voluntária somam 164,7 toneladas no mercado doméstico e a ação inclui a retirada preventiva de 299,6 toneladas destinadas ao exterior, produzidas nos dias 30 de outubro e 05, 06, 07, 09, 10 e 12 de novembro de 2018 na unidade de Dourados (MS).

No anúncio, divulgado na quarta-feira, a companhia esclareceu que, "caso esses alimentos não sejam completamente fritos, cozidos, assados ou manuseados conforme descrito nas embalagens, a Salmonella Enteritidis representa risco à saúde".

Em comunicado ao mercado disponível na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a BRF explicou também que "a decisão de recolher todos os lotes, ao invés de partes da produção afetadas, segue o princípio da precaução e o compromisso da BRF com Segurança Alimentar, Qualidade e Transparência", e que o incidente e o recolhimento dos produtos foram reportados a autoridades brasileiras como o Ministério da Agricultura e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a qual acordou as bases do recolhimento voluntário.

A companhia disse ainda que iniciou proativamente o inventário e recolhimento dos produtos em rota ou junto aos clientes no mercado interno e externo, e destacou um grupo de especialistas para investigar as origens "deste único caso para garantir a adoção das medidas apropriadas para evitar recorrência". 

A produção em Dourados segue "sob um processo rigoroso de manutenção e liberação dos produtos para assegurar que a ocorrência foi pontual e não se repetirá". 

Crise

O anúncio acentua ainda mais crise exposta na BRF. A empresa teve seu nome envolvido na operação Carne Fraca, deflagrada em março do ano passado, em que é acusada de omitir salmonela em seus produtos. 

Desde 2017, a empresa acumula resultados negativos e enfrenta uma crise de gestão. No comando desde o ano passado, o executivo Pedro Parente tem promovido uma reestruturação operacional e financeira na companhia. 

O episódio, contudo, só contribuiu para elevar ainda mais a cautela dos investidores, que preferem outros papéis no setor de alimentos, especialmente a rival JBS. Na semana passada, a BRF anunciou a conclusão de seu processo de vendas de ativos, que somou R$ 4,1 bilhões, abaixo das expectativas do mercado e da própria empresa, que esperava levantar R$ 5 bilhões.

 

Tudo o que sabemos sobre:
recallBRFfrangoPerdigão [empresa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.