Anvisa suspende lotes por falha em fabricação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou cinco lotes de produtos que apresentam falhas de fabricação. Os produtos são Água Boricada 3%, do laboratório Arboreto; Epotina Alfa (Eritina), do laboratório Cristália; Maleato de Enalapril, do laboratório Hipolabor; Propanolol, do laboratório Neoquímica; e o Mebendazol, do laboratório SEM.De acordo com a Agência, o lote nº 1111006 d a Água Boricada 3%, do laboratório Arboreto, de Juiz de Fora (MG) estava com o princípio ativo abaixo do declarado e a impressão do rótulo encontrava-se ilegível. A denúncia foi encaminhada pela Vigilância Sanitária do Paraná.O lote nº 0232 da Epotina Alfa (Eritina), do laboratório Cristália, de Itapita (SP), teve sua interdição determinada por apresentar um corpo estranho no líquido do medicamento, de acordo com a Anvisa. A irregularidade foi denunciada pela Vigilância Sanitária do Município do Rio de Janeiro.O anti-hipertensivo Maleato de Enalapril, lote nº 038701, foi denunciado por médicos por não fazer o efeito esperado nos pacientes, além de apresentar pontos escuros, segundo a Anvisa. O comprimido é fabricado pelo Hipolabor, de Sabará (MG). Outro anti-hipertensivo que teve seus efeitos terapêuticos questionados foi o lote nº 4930 do Propanolol. Em testes de resistência mecânica, o comprimido se desintegrou facilmente, de acordo com a Anvisa. O laboratório Neoquímica, de Anápolis (GO), é o produtor do medicamento.Na análise realizada pela Anvisa no lote nº 013526R do vermífugo Mebendazol, produzido pelo laboratório E.M.S, de Hortolândia (SP), foi detectada a presença de fungos acima do permitido pela legislação. A Vigilância Sanitária de Minas Gerais encaminhou a suspensão oral para análise e repassou para a Anvisa a ocorrência da irregularidade.MultasDe acordo a Agência, a interdição vale por 90 dias, prazo em que as empresas podem apresentar contraprova. Em caso de desrespeito à legislação, pontos de venda e distribuidores poderão ser punidos com multas que variam entre R$ 2 mil e R$ 1,5 milhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.