Anvisa suspende remédios, desinfetante e palmito

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Ministério da Saúde determinou a retirada do mercado de vários produtos que podem causar risco à saúde do consumidor. Foram suspensos medicamentos, um repelente sem registro, remédios já registrados com desvio de qualidade e também uma marca de palmito.Os medicamentos recolhidos do mercado por falta de registro e sem eficácia comprovada são: o Extrato Composto Magaraz, Diabesan, Xarope Magaraz e o Elixir Sena Magaraz, todos do laboratório Magaraz, da cidade de Araguari, em Minas Gerais. A Anvisa também suspendeu por falta de registro, o repelente Bryoline Repelente Americano, da empresa Bryoline Indústria e Comércio, da cidade de São Paulo.A Anvisa também suspendeu produtos como palmitos, desinfetantes e antibióticos que apresentaram desvio de qualidade, apesar de serem registrados. O lote 60 do palmito em conserva da marca Fiesta, fabricado pela Indústria e Comércio de Conservas Maiauatá Ltda e distribuído por Brasimpex - Marcelândia, no Mato Grosso, foi suspenso porque o laboratório Noel Nutels encontrou índice de PH de 4,85. De acordo com a Anvisa, o índice de PH permitido para o palmito em conserva é de 4,5. Alguns produtos, segundo a Anvisa, tinham os rótulos e as bulas escritos em inglês, sem tarja com linguagem em português. São eles: Big Pinho, Eucalipto e Lavanda do laboratório Alm Higiene e Limpeza e Embalagem do Rio de Janeiro. Do laboratório Mallinckrodt do Brasil, de São Paulo, estão suspensos os lotes nº D043J, D053H, D006D, do contraste radiológico Optiray 320 de 50 ml; o lote nº C295B do contraste radiológico Conray de 50 ml e o lote nº C083D do contraste radiológico Diatrozato de Meglumina + Diatrozato de Sódio.A Anvisa constatou problemas de dissolução no lote n º 0008586 do antibiótico injetável Benzil Penicilina, fabricado pelo laboratório Prodotti, de Santo Amaro, em São Paulo. De acordo com análise do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), foi constatado que o produto quando agitado apresentava bolinhas que impediam a passagem do medicamento pela agulha. O resultado é de contraprova, definitivo, e determina que a empresa destrua todas as ampolas desse lote.Outro problema de desvio de qualidade constatado pela Anvisa foi no lote n º F09799 do colírio antibiótico Gentamicina, fabricado pelo laboratório Allergan, de São Paulo. A Agência avisa que foi encontrado o produto Pilocarpina 2%, indicado para tratamento de glaucoma, na embalagem do Gentamicina. MultasA Anvisa informa, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que descobriu as irregularidades a partir de fiscalização das vigilâncias estaduais e municipais e de denúncias de consumidores, que acionaram o órgão por terem duvidado da qualidade desses produtos.A fiscalização da Anvisa poderá autuar e até fechar os estabelecimentos por venda ilegal deste produtos. O laboratório que desobedecer a determinação será punido de acordo com a legislação sanitária, que prevê desde notificação até multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão. A Agência alerta que o consumo de produtos clandestinos pode causar risco para a saúde do consumidor. Outra maneira de denunciar é ligar para o Disque Saúde (0800-611997).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.