AOS 60, PLANOS PARA UMA NOVA GRADUAÇÃO

Enfermeira e educadora artística, aposentada faz estágio como auxiliar de saúde bucal

O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2016 | 05h00

Aposentada há 12 anos como enfermeira, Denise Restivo, de 60 anos, nunca teve receio de dar passos novos. Depois de décadas na área de saúde, resolveu fazer uma segunda graduação, em Educação Artística. Ficou cinco anos em um colégio particular da capital paulista como professora de artes até que decidiu que era hora de voltar à área de origem.

Ela não seguiu, porém, trabalhando em hospitais. Foi contratada como auxiliar de saúde bucal na Associação Brasileira de Odontologia (ABO). “Aprendi bastante e gostei do que estava fazendo.” Em maio deste ano se matriculou no curso técnico de auxiliar de saúde bucal da própria ABO. Da turma de 22 alunos, apenas ela e mais dois já passaram dos 40 anos. O restante se divide entre adolescentes de 15 anos e jovens adultos entre 20 e 30 anos. “Dizemos que somos os que estão fora da casinha”, brinca ela.

Há um mês e meio estagiando no consultório de uma dentista, Denise deixou o trabalho na ABO com pesar. “Evoluí muito no tempo que fiquei lá, mas o excesso de escadas estava prejudicando minha saúde.” Antes foi contratada em outro consultório, mas saiu depois de perceber que não estava aprendendo coisas novas e fazia só esterilização, algo em que já tinha grande experiência por causa da enfermagem. “Sentia que eu estava regredindo.”

Atualmente, está em seu primeiro estágio. “Aprendi a organizar os instrumentos na mesa auxiliar e a fazer a higienização adequada. Se eu fizer certo ou me corrigirem uma vez, aprendo e não esqueço”, afirma Denise. Em uma área cheia de especificidades, ela lista com dedicação os ensinamentos. “Tem coisas só para cirurgia de implante, outras para endodontia, detalhes únicos na hora de fazer uma extração.”

Apesar de dividir as tarefas com outra estagiária mais jovem, Denise não vê sua idade como empecilho. “Se fui contratada é porque era capacitada para a vaga.”

Com disposição para aprender, sua próxima meta é ganhar intimidade com a tecnologia. “Sei que muita gente da minha idade ou mais velha do que eu sabe informática. Agora que tenho as manhãs livres, vou procurar um curso”, conta a estagiária, que pensa em, no futuro, cursar Odontologia.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.