BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

Apagão afeta trânsito, hospitais e aeroportos

Metrô parou em Salvador e no Recife; em Natal, motoristas tentaram, sozinhos, organizar tráfego

O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 22h26

O apagão que afetou 13 Estados das Regiões Norte e Nordeste transformou o dia da população em um verdadeiro caos. Em capitais como Recife, Salvador e Fortaleza, a maior parte dos semáforos parou de funcionar, o que causou congestionamentos e superlotação em pontos de ônibus. Tanto na capital baiana quanto na pernambucana, o metrô parou, obrigando passageiros a caminhar pelos trilhos. Enquanto o sistema de geração de alguns aeroportos evitou problemas com voos, houve paralisação temporária em Fortaleza.

Em Salvador, onde o fornecimento de energia foi interrompido por cerca de três horas, serviços essenciais também foram afetados. No Hospital da Bahia, por exemplo, somente a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) manteve-se funcionando por um sistema de segurança durante as horas de queda de energia. Houve prejuízo no comércio, pois os geradores de supermercadistas e shoppings de menor porte eram muitas vezes insuficientes para manter o sistema de vendas funcionando por um período mais longo.

No Recife, também houve problemas no setor da saúde. A dona de casa Maria Rita Xavier, de 45 anos, aguardava atendimento em uma clínica particular. “Cheguei cedo (para a consulta) e aguardava ser chamada. Aí, tudo ficou escuro. Moro longe e tenho uma filha que tem problemas graves de saúde e precisa de atenção permanente. Para eu conseguir vir hoje montamos toda uma logística que agora foi jogada no lixo”, disse.

++ Governo anuncia leilão de terminais portuários e de linhas de transmissão

Nos postos de combustível da capital de Pernambuco, o movimento foi grande de pessoas em busca de óleo diesel para geradores instalados em prédios residenciais e comerciais. A maioria dos potenciais clientes, no entanto, acabou sem o produto, já que as bombas dos postos também não estavam funcionando.

Nas ruas de Natal, a confusão no trânsito foi tamanha que os próprios motoristas desceram de seus veículos e tentaram organizar o trânsito caótico. “Estou há mais de uma hora e dez minutos presa no engarrafamento. Geralmente, faço esse percurso em dez minutos”, relatou a professora de educação física Izabelle Dantas, que tentava se locomover para a escola onde daria aulas nesta quarta-feira, 21.

Nas paradas de ônibus da capital potiguar, trabalhadores tentavam voltar para casa antes do anoitecer. “Nosso horário de saída era às 18h, mas fomos liberados às 16h50”, disse a comerciária Bianca Evelyn, enquanto tentava pegar um ônibus para voltar para casa. Estudantes que estavam em aula durante o período sem energia também foram dispensados mais cedo ontem, por questão de segurança.

++ Eletrobrás perde relevância na geração de energia do País

Em Belém, além dos problemas registrados nas demais regiões, alguns bairros também ficaram sem água. Segundo a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), o abastecimento foi interrompido nas zonas de expansão da área da Augusto Montenegro e São Brás, além do centro da capital. Durante a interrupção do fornecimento de energia, linhas de telefonia celular também ficaram sem sinal na cidade. /ESPECIAL PARA O ESTADO CLEUSA DUARTE, MONICA BERNARDES, RICARDO ARAÚJO, CARMEN POMPEU E ROBERTA PARAENSE.

Mais conteúdo sobre:
apagão energia blecaute

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.