Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Apagão já custa R$ 150 milhões

Empresas reduziram operação em 30%, diz sindicato

Alberto Komatsu, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2026 | 00h00

A intensificação da crise aérea e as restrições anunciadas ao Aeroporto de Congonhas devem trazer uma redução de 30% na operação das companhias aéreas. A estimativa é do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea). A entidade calcula que, no período de outubro do ano passado a junho deste ano, o apagão já custou R$ 150 milhões às empresas de transporte regular de cargas e de passageiros.Entre as empresas especializadas em transporte de cargas, a VarigLog viu seu custo aumentar 23% este mês. O motivo é a transferência de vôos de passageiros de Congonhas para o Aeroporto de Guarulhos. Como a prioridade tem sido atender os passageiros, os aviões da ex-subsidiária da Varig gastam mais combustível para esperar sua vez de pousar. O querosene de aviação representa 35% dos custos de uma empresa aérea.''''Estamos fazendo um levantamento do prejuízo para sensibilizar as autoridades e, eventualmente, pedir uma compensação ao governo'''', afirma o diretor comercial da VarigLog, Sérgio Sampaio. Cerca de 90% dos vôos da companhia estão concentrados em Guarulhos.A VarigLog está aumentando sua operação de 72 para 110 vôos semanais, com o aumento de sua frota de 25 aeronaves. Outros três aviões chegarão até o fim do ano. O investimento total será de US$ 250 milhões.A Fedex e a UPS, que operam em Viracopos, informaram que a transferência de vôos de Congonhas não teve impacto em suas operações.MALHAAlém dos prejuízos, as companhias aéreas de vôos regulares também estão revisando todo o seu planejamento de malha de vôos e de frota, conta o secretário-geral do Snea, Anchieta Hélcias.Segundo ele, haverá ''''inevitavelmente'''' redução do número de aeronaves que estava programado para 2018. Nesse período, as cinco maiores empresas do setor previam a entrega de 170 aviões.As operações das empresas de táxi aéreo e de aviação executiva deverão ficar restritas a Congonhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.