Apagões no Rio mobilizam comércio

Comerciantes pedem à Light a criação de um mecanismo automático de ressarcimento pela falta de energia elétrica

Alessandra Saraiva / RIO, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2010 | 00h00

Os constantes apagões no Rio de Janeiro levaram os comerciantes da cidade a solicitar à Light, a distribuidora de energia elétrica que atende a capital e parte do interior e Baixada Fluminense, a criação de um mecanismo automático de ressarcimento.

De acordo com a Fecomércio-RJ, uma pesquisa mostrou que 100 mil dos cerca de 400 mil estabelecimentos comerciais do Rio tiveram prejuízo com cortes de luz entre novembro de dezembro do ano passado, com perda estimada em R$ 10 mil por loja.

O coordenador de Relações Institucionais da Fecomércio-RJ, Marcos Neves, explica que a ideia é que o comerciante não precise mais entrar na Justiça em caso de problemas ocasionados por cortes inesperados de energia.

"Nossa intenção é criar um sistema para tentar mensurar o que deixou de ganhar um cabeleireiro, um florista, devido ao corte de energia", explicou Neves.

Segundo o superintendente de Relações Institucionais e Ouvidoria da Light, Eduardo Luiz Pinto Camilo, atualmente a empresa já conta com dois tipos de ressarcimento: uma indenização regulada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para perdas sofridas por consumidores e a compensação por equipamentos ou materiais perdidos em decorrência da falta de eletricidade.

"Na prática, o que queremos é criar um novo canal de comunicação com o cliente que sofreu com cortes de energia", resumiu Camilo. Ele informou que o grupo de estudos vai especificar a documentação necessária para os processos de indenização. "Nós queremos discutir os ressarcimentos de uma forma administrativa, criteriosa", acrescentou ele.

Para o diretor da Fecomércio-RJ, os cortes de luz no início deste ano causaram prejuízos cujo valor deve ficar bem próximo ao verificado no fim do ano passado. Ele espera que o novo sistema possa estar disponível para os comerciantes do Rio já a partir de abril. "Como saber qual será o patamar dessa indenização? É a metodologia para calcular isso que o grupo de estudos vai criar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.