Denny Cesare
Denny Cesare

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Apesar da ameaça de multa, caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias pelo País

Sobe para 11 o número de Estados com vias parcialmente bloqueadas nesta terça; motorista que fechar estrada pagará multa de R$ 1.915

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2015 | 09h51

Atualizado às 13h23

SOROCABA - Caminhoneiros ligados ao Comando Nacional do Transporte (CNT) retomaram na manhã desta terça-feira os bloqueios em rodovias para pedir a saída da presidente Dilma Rousseff. As interdições estão sendo realizadas mesmo com a ameaça de multa de quase R$ 2 mil para os motoristas que atrapalharem o fluxo nas vias. Com bloqueios no Estado de Mato Grosso no início da tarde, sobe para onze o número de Estados com estradas parcialmente interditadas. 

Também no início da tarde, um grupo de caminhoneiros bloqueava parcialmente a Marginal do Tietê, em São Paulo. Segundo informações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a manifestação está na altura da Ponte do Limão, sentido Rodovia Castelo Branco, e ocupa a faixa da esquerda na pista central e duas faixas na direita da via expressa.

Com os primeiros bloqueios de rodovias em Mato Grosso, o protesto dos caminhoneiros contra o governo da presidente Dilma Rousseff voltou a crescer no início da tarde desta terça-feira. O número de trechos de rodovias com manifestações subiu para 39 em dez Estados. O levantamento inclui três bloqueios parciais na BR-158, em Mato Grosso, ainda não contabilizados pela Polícia Rodoviária Federal. No Rio Grande do Sul, o número de bloqueios parciais subiu para 11, segundo a PRF. As ações continuavam no Paraná (7 bloqueios), Minas Gerais (6), Santa Catarina (4), Tocantins, Mato Grosso do Sul e Bahia, com dois bloqueios cada, Ceará e Goiás.

No Estado de São Paulo, cerca de 300 caminhoneiros fecham os dois sentidos do km 131 da rodovia SP-332 (Prof. Zeferino Vaz), em Paulínia. Esse bloqueio não é contabilizado pela PRF pois está em uma rodovia estadual. A manifestação gera ao menos 5 km de congestionamentos na via que liga Paulínia a Campinas, de acordo com a polícia. A concessionária que administra o trecho, Rota das Bandeiras, pediu na Justiça a liberação do tráfego. Já no Ceará, os caminhoneiros interditam o quilômetro 318 da BR 222, em Tianguá. 

Nesta segunda-feira, a greve atingiu 14 Estados e, de acordo com balanço do governo, interditou totalmente cinco rodovias, provocando obstruções parciais em outras 22. A paralisação causou preocupação no Palácio do Planalto por ressuscitar a onda de protestos num momento em que a presidente Dilma sofre ameaça de impeachment. 

"Esse é um movimento com um viés claramente político", disse ontem o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. "Não tem pauta de reivindicações e isso fez com que a maior parte dos caminhoneiros do País não aderisse à manifestação". Além de aplicar a multa de R$ 1.915,00, a Polícia Rodoviária Federal também foi orientada a desobstruir as estradas e garantir a segurança dos caminhoneiros que quiserem trabalhar.

Sem apoio. O presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, disse que a entidade não apoia a mobilização do Comando Nacional. “Parar rodovias em meio à crise econômica não ajuda, só pode piorar. Respeito os movimentos sociais e as reivindicações, mas esse não é o momento oportuno para uma paralisação”, informou, através da assessoria.

Em nota, o Movimento Vem Pra Rua negou participação nos protestos. “O Movimento Vem Pra Rua apoia movimentos pacíficos, ordeiros, e que visem exclusivamente um Brasil melhor, livre de corrupção. Não apoiamos pautas específicas que não digam respeito aos nossos objetivos.” O Movimento Brasil Livre manifestou apoio pela rede social. 

(Com informações de Leonardo Augusto, Guilherme Mazieiro e Aline Torres, especiais para o Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
caminhoneirosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.