Apesar de registrar prejuízo, Eletrobrás mantém investimento

Apesar do prejuízo semestral de R$ 1,77 bilhões anunciado anteontem, a Eletrobrás decidiu manter os planos de investimentos em até R$ 3,5 bilhões para este ano, dentro do programa de desenvolvimento preparado pelo governo. De acordo com o presidente da estatal, Luiz Pinguelli Rosa, o volume seria ainda maior se a área econômica do governo não determinasse que a empresa deve ter um superávit de R$ 1 bilhão no ano.Entre os projetos mais urgentes, está a ampliação do parque gerador de energia da região de Manaus, que pode enfrentar problemas de abastecimento em um ou dois anos, disse Pinguelli. O governo teve que deslocar geradores da região Nordeste para sistemas isolados do Norte, afim de evitar apagões. "A situação está equacionada este ano, mas precisamos investir para evitar problemas no futuro", explicou.A empresa já negocia com fornecedores de equipamentos para geração térmica, como a finlandesa Wartzila, para instalar novas termelétricas na região. A idéia é comprar equipamentos bicombustíveis, que poderão usar gás natural quando a Petrobrás construir um gasoduto ligando as reservas de Urucu à capital do Amazonas. A empresa vai pedir, como contrapartida, que parte dos equipamentos seja produzida no Brasil. Os investimentos previstos, a princípio, são de R$ 200 milhões.Outro projeto é a ampliação da usina de Tucuruí e a participação no leilão de linhas de transmissão que será feito pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em setembro. "Conversamos com a indústria fornecedora de equipamentos e vimos uma necessidade de antecipar os investimentos para evitar demissões de quadros técnicos", disse Pinguelli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.