Apimec espera reduzir prazo para certificação de analista

Entidade passa a ser responsável pelo credenciamento e supervisão da atividade de analista de valores mobiliários a partir desta sexta-feira, 1

Vinícius Pinheiro, da Agência Estado,

30 de setembro de 2010 | 17h11

A atividade de analista de valores mobiliários passa a ter a Apimec Nacional como responsável pelo credenciamento e supervisão a partir desta sexta-feira, 1, com a entrada em vigor da Instrução nº 483 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A expectativa da presidente da entidade, Lucy Souza, é de que os prazos para a obtenção de registro para o exercício da atividade de sejam reduzidos.

Ela pondera que os prazos atuais não são longos. "Não haverá grandes mudanças, pois a Apimec já era responsável pelo exame de avaliação dos candidatos", lembrou. Com a nova regra, em vez de mandar a lista de aprovados para a CVM, todo o processo de certificação fica a cargo da associação, sendo que o teste é aplicado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

A norma da autarquia prevê que todos os analistas obtenham credenciamento na Apimec. Segundo Lucy, os profissionais que obtiveram certificação até 2006 terão até o ano que vem para renovar o credenciamento. A renovação pode ser obtida por meio de um novo exame ou com programas de educação continuada. Todos os profissionais precisarão provar que realizaram pelo menos 160 horas de estudo em um período de cinco anos.

A Apimec Nacional instituiu uma área específica para cuidar da supervisão da atividade de analista, afirmou a presidente. Todas as instituições financeiras serão obrigadas a enviar para a associação os relatórios produzidos por seus profissionais em até três dias após o envio para os clientes.

Entre os pontos que a entidade pretende acompanhar é se o analista cumpriu a determinação de não negociar valores mobiliários que foram objeto de relatório por um período de 30 dias antes e cinco dias após a divulgação da recomendação. Ainda conforme a norma da CVM, o profissional não pode negociar tais valores mobiliários em sentido contrário ao das recomendações por seis meses após a publicação do relatório ou até a divulgação de novo texto.

Questionada especificamente sobre os analistas gráficos, que fazem análises diárias e, em alguns casos, negociam os títulos sobre os quais emitem opinião, Lucy ressaltou que eles também estão incluídos na regra e precisam separar as atividades de analista e investidor. "Talvez esteja na hora de esses profissionais decidirem se são analistas mesmo", afirmou.

O conselho de supervisão da Apimec será formado por nove integrantes, sendo três da própria associação e seis externos, dentre os quais quatro serão indicados por entidades como Amec, Abrasca, IBGC e Anbima.

Desde o último dia 15 de setembro, a associação vem trabalhando com a CVM para promover a migração da base de dados de analistas que hoje estão na autarquia. A expectativa é de que a lista de profissionais credenciados esteja no site da Apimec até o dia 3 de novembro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.