Aplicações em fundos cambiais: cautela

Independentemente do preço do petróleo, o real deverá desvalorizar-se em relação ao dólar nos próximos meses, segundo previsão do diretor de Estratégia e Produtos de Investimentos da Lloyds Asset Management (LAM), Paulo de Sá Pereira. "Nossa expectativa em junho, antes da alta do petróleo, já era em relação à desvalorização do real por causa da desaceleração da economia mundial", afirma.Quando há desaceleração, diminui a oferta de divisas em países emergentes, como o Brasil. Segundo o diretor de Renda Fixa da BNP Asset Management, Marcelo Saddi Castro, para manter o fluxo de recursos e motivar as exportações, que podem empatar com as importações este ano, o mercado deve pressionar o dólar. Assim, só valerá a pena aplicar em fundo cambial se existe a expectativa de que o dólar apresentará variação superior à da taxa do DI. Até o fim do ano, o DI deverá acumular 4,20%. Para proporcionar esse ganho, o dólar terá de subir no mesmo período para R$ 1,93.Como estima que a desvalorização será gradual, Castro recomenda ao investidor a aplicação de 20% a 30% dos recursos em fundos cambiais. Pereira também sugere a destinação de uma parte dos recursos a esse tipo de fundo, mas apenas para quem tem perfil mais agressivo. Porém, o diretor de Fundos do Banco BNL, Claudio Stocco Lellis, acredita que a alta do petróleo causa um movimento especulativo: "a cotação do petróleo deve recuar e não compensa migrar para fundos cambiais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.