Aplicações: principais pontos na hora da escolha

A escolha de uma carteira de investimentos deve levar em conta dois pontos básicos: o tempo em que os recursos poderão ficar aplicados e a tolerância ao risco. Esta é a recomendação unânime dos analistas em qualquer situação e fica ainda mais importante com as incertezas provocadas pela proximidade da eleição presidencial."Neste cenário incerto e conturbado, esta avaliação deve ser feita com mais cautela. O investidor pode perder dinheiro se tomar suas decisões de maneira precipitada", afirma o diretor do West LB Banco Europeu Asset Management, André Reis.Em linha com esta recomendação, o estrategista-chefe da HSBC Investment Bank, Dawber Gontijo, acredita que o investidor deve formar sua carteira de aplicações tendo em foco o que e quando pretende usar os recursos aplicados; quais os riscos que está disposto a assumir para alcançar seus objetivos; e qual o cenário econômico e político no qual acredita.Gontijo avalia que as boas escolhas são feitas com base em aconselhamento de profissionais eficientes, os quais devem apurar, antes de mais nada, o perfil detalhado do investidor. "As pessoas que não toleram perdas devem buscar investimentos conservadores, principalmente neste período em que há muitas incertezas. As apostas mais arriscadas exigem que o investidor esteja convencido de que a sua avaliação do cenário de fato se confirmará", destaca.Veja nos links abaixo qual o melhor comportamento para o investidor em períodos de forte oscilação e as recomendações para as aplicações com data definida para resgate e para as mais arriscadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.