Aplicadores aceitaram melhor a dívida pública

A dívida pública federal em títulos aumentou de R$ 2,247 trilhões, em janeiro, para R$ 2,329 trilhões, em fevereiro, avanço de R$ 82 bilhões ou 3,64% no mês. Os maiores tomadores foram as instituições financeiras, os fundos de investimento e as carteiras de previdência, indicando maior disposição de comprar os papéis federais. É uma notícia favorável, que veio acompanhada de outros aspectos não tão positivos.

O Estado de S.Paulo

29 de março de 2015 | 02h03

O Tesouro aceitou vender títulos de prazo mais curto: o prazo médio da dívida pública federal caiu, no mês, de 4,59 anos para 4,54 anos. Ainda é melhor do que em dezembro, quando a rolagem da dívida foi pressionada e o prazo médio reduziu-se a 4,42 anos. Mas é sinal de que, para os investidores, a normalização da política fiscal ainda não ocorreu.

Foram colocados principalmente títulos prefixados, com emissão líquida de R$ 41,5 bilhões, seguindo-se os papéis com taxas flutuantes (indexados pela Selic), que atraíram R$ 17 bilhões - estes são papéis que o governo evita vender, pois o rendimento depende da política monetária, que depende da inflação e deve manter o maior grau possível de liberdade.

A recompra de quase R$ 2 bilhões em títulos corrigidos pelo câmbio teria reduzido a dívida, não fosse a desvalorização do real da ordem de 8%. Só por isso a dívida em papéis cambiais registrou leve aumento de participação na dívida (0,1%).

Um aspecto favorável diz respeito às operações do Tesouro Direto, que estimulam a compra de papéis federais por pequenos aplicadores. Em fevereiro, as emissões totais do Tesouro Direto foram de R$ 544,4 milhões, com saldo líquido de R$ 366,3 milhões. O governo anunciou, há alguns dias, a mudança nos nomes das aplicações, para facilitar o entendimento dos aplicadores: LTN passou a ser Tesouro Prefixado; NTN, Tesouro IPCA; e LFT, Tesouro Selic. Entre janeiro e fevereiro, o estoque total das operações do Tesouro Direto aumentou 3,7%, atingindo R$ 15,9 bilhões.

Mas o fato mais importante é que os investidores estrangeiros voltaram a aumentar sua participação na dívida pública, ampliando o estoque de papéis que detêm em quase R$ 17 bilhões, chegando a R$ 448,9 bilhões aplicados, ou 20,28% do total das emissões. É sinal de que os juros elevados bastam para manter a atratividade dos papéis brasileiros. O temor de rebaixamento da classificação do País pelas agências de rating ficou, assim, em segundo plano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.