Apoio do governo ajuda a aumentar rentabilidade

A desoneração tributária a setores específicos promovida durante a crise contribuiu para o resultado das empresas

Reneé Pereira, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 00h00

Os subsídios concedidos pelo governo federal para amenizar os efeitos da crise mundial também podem explicar o avanço da rentabilidade das companhias de capital aberto neste ano. Vários setores, como o de linha branca, veículos e material de construção, tiveram redução nos impostos e alavancaram suas vendas, lembra o economista da XP Investimentos, William Alves.

A medida refletiu diretamente na recuperação da economia interna, que no primeiro semestre deste ano cresceu numa velocidade alta.

Mesmo que haja um arrefecimento da atividade neste segundo semestre, o resultado das companhias deve se manter em terreno positivo, afirmam especialistas.

Upgrade. A diretora da agência americana de classificação de riscos Standard & Poor''s, Milena Zaniboni, conta que algumas empresas que tiveram o rating rebaixados para "perspectiva negativa" já conseguiram retomar o status de "estável". É o caso, por exemplo, de Votorantim e Gafisa. Há ainda aquelas que tiveram up grade nas notas, como JBS e Neoenergia. Outras empresas também deverão ser contempladas com melhora no rating, diz Milena. "O ambiente interno está consolidado pelos próximos dois anos."

Portfólio. A executiva comenta que, de um portfólio de 150 companhias, 15 empresas já conquistaram grau de investimento. A próxima que pode entrar neste seleto grupo é a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). "Só não sabemos se será ainda este ano", diz Milena.

Segundo ela, a melhora das classificações está associada ao ambiente doméstico, com redução do risco Brasil. Além disso, a qualidade de crédito das empresas teve avanços expressivos nos últimos anos.

Apesar da melhora no retorno das empresas não financeiras, os bancos continuam os campeões em rentabilidade. Eles também foram impactados pela crise mundial, que derrubou seus indicadores, para 13,1%. Mas a média do primeiro semestre já subiu para 15,2%.

4 RAZOES PARA...

O crescimento da rentabilidade das empresas

1. Estabilidade da economia, especialmente com o crescimento do mercado interno.

2. Expansão das exportações e internacionalização de grandes grupos nacionais.

3.Avanço das fusões e aquisições, que aumentam os ganhos de escala

4. Subsídios concedidos pelo governo para conter os efeitos da crise mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.