Apólices bancam contas do demitido

A insegurança com o emprego tem sido cada vez mais fator de estresse do trabalhador num mercado em que a taxa de desemprego é crescente. Não é à toa, portanto, que as seguradoras estão ampliando a oferta de produtos que bancam determinadas contas de quem perdeu o emprego. Um deles é o seguro educacional. Em geral, o produto é oferecido pelas escolas aos pais de alunos que têm a garantia de quitação de todas as mensalidades em caso de desemprego, morte ou invalidez do titular. O valor do prêmio desse seguro varia de acordo com o preço da mensalidade, o número de alunos na escola e a cobertura, principalmente. Essa modalidade de seguro, contudo, não é encontrada em todas as escolas particulares. O consumidor só pode contratá-la naquelas instituições de ensino que mantêm convênio com as seguradoras. A Nationwide Marítima oferece em alguns colégios um seguro que dá cobertura no caso de morte do responsável pelo aluno. O prêmio cobrado em um colégio com cem alunos e mensalidade de R$ 500 é de R$ 3,40 por mês. A Porto Seguro tem o produto Vida Profissional, destinado a profissionais autônomos, que garante uma complementação de renda mensal durante até um ano caso o segurado fique incapacitado para o trabalho por causa de doença ou acidentes pessoais. É um tipo de seguro que pode ser contratado por qualquer pessoa. A Assurant, uma seguradora americana que acaba de desembarcar no Brasil, vai lançar um seguro de proteção financeira que quita contas, empréstimos e financiamentos em caso de morte, invalidez, desemprego ou incapacidade temporária do trabalhador. O produto será ofertado a partir de junho nas redes do Pão de Açúcar. A carência exigida varia conforme a cobertura. O pagamento da indenização por desemprego ou invalidez é feito mediante apresentação de prova dessa condição pelo segurado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.