Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Aporte no BNDES pode anular corte de gastos, diz ex-diretor do BC

Para Carlos Eduardo Freitas, magnitude do aporte poderia, na prática, levar a um superávit primário zero

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

28 de fevereiro de 2011 | 17h06

O aporte para o BNDES neste ano, dependendo da magnitude que será anunciada, pode anular o corte de gastos de R$ 50 bilhões, detalhado hoje, na avaliação de Carlos Eduardo Freitas, sócio da OF Consultoria e ex-diretor do Banco Central. Este é um grande problema, na avaliação do executivo. A falta de transparência é motivo para insegurança, acrescentou Freitas, em entrevista ao AE Broadcast Ao Vivo.

O ex-BC destaca que os aportes ao BNDES aparecem na contabilidade do governo como empréstimos simples. Não aparecem como déficit primário, nem como dívida líquida do setor público. Por isso é que o executivo, que passou pelas diretorias de área externa e Liquidação e Desestatização do BC, faz o alerta de que o aporte do BNDE, dependendo do tamanho, pode anular o corte de gastos, pois, na prática, poderia levar a um superávit primário zero.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje, na entrevista sobre o detalhamento dos cortes no Orçamento, que o aporte para o BNDES deve ser divulgado nesta semana. O aporte é uma incerteza adicional para o mercado, na avaliação de Freitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.