Após 30 anos, Argentina volta a exportar carne suína

Depois de três décadas, a Argentina voltará a exportar carne suína fresca. O anúncio foi realizado pelo presidente da Associação Argentina de Produtores Suínos (AAPP), Juan Ucelli, que indicou que a partir de fevereiro os produtores argentinos realizarão uma exportação inicial para os países da Europa do Leste. Com os problemas sanitários enterrados no passado, o setor sonha em vender ao exterior carne fresca novamente.Mas, os produtores admitem que existem mercados, como o russo, cuja dimensão de demanda de carne suína é de tal tamanho que os empresários argentinos não possuem capacidade para atendê-lo atualmente. Por esse motivo, antes de tentar explorar o mercado russo, os produtores argentinos optaram por exportar a países de menor tamanho da região, como a Ucrânia, Casaquistão e Geórgia.Nos últimos 30 anos, a Argentina teve que se restringir a exportar presunto, miúdos, banha, embutidos e demais derivados. No total, segundo a Secretaria de Agricultura, entre janeiro e outubro de 2007, a Argentina exportou 1,685 mil toneladas desses produtos, por um total de US$ 3,3 milhões. Isso equivale a 4,8% a mais em volume e 21% superior em divisas em comparação com o mesmo período de 2006.No ano passado, a produção de carne suína e derivados foi de 320 mil toneladas, o que equivale a um aumento de até 8% em relação a 2006. Para 2008, a perspectiva do setor é que a produção aumente em 20%.Demanda internaNo mercado interno, o consumo de carne fresca suína aumentou em 100% em relação a 2006. O consumo, per capita, é de cinco quilos por ano, enquanto que em 2006 era de somente dois quilos e meio. Incluindo frios e demais derivados da carne suína, o consumo sobe para oito quilos anuais por habitante. Esse volume é significativamente inferior ao consumo de carne bovina, de 67 quilos per capita anual, além da carne de frango, de 30 quilos per capita por ano.A inflação dos produtos de carne suína na Argentina foram afetados pela inflação. No total, seus preços em 2007 sofreram um aumento de 100%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.