FELIPE RAU | ESTADÃO CONTEÚDO
FELIPE RAU | ESTADÃO CONTEÚDO

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

'Após a Previdência, próxima reforma deve ser do Estado brasileiro'

Para presidente da gigante de papel e celulose, após aprovação final, reforma da Previdência deve trazer investimentos, mas são necessárias outras mudanças estruturais

Entrevista com

Walter Schalka, presidente da Suzano

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2019 | 07h00

O presidente da Suzano, Walter Schalka, diz que a aprovação final da reforma da Previdência, que ainda depende do segundo turno na Câmara e da votação no Senado, pode trazer investimentos para o País em um prazo relativamente curto. 

"Essa reforma é ligeiramete recessiva, pois tira um pouco de recursos da economia, mas ela traz a credibilidade com os investidores. E o investimento que  virá para o Brasil vai ser significativo, vai irrigar a economia brasileira e permitir a retomada do emprego", diz o executivo da companhia de celulose e papel, que no ano passado comprou a rival Fibria.

Segundo ele, uma vez terminada a tramitação da reforma da Previdência, o próximo passo é atacar as ineficiências da máquina estatal brasileira. "O Estado brasileiro gasta muito e entrega muito pouco para o cidadão, sendo absolutamente ineficiente. Precisamos aumentar a produtividade do setor estatal, é a próxima (reforma) a ser feita."

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista de Schalka ao Estado:

A reforma da Previdência traz um alento à economia brasileira?

É fundamental. Ela é condição absolutamente necessária, mas não suficiente, para destravarmos a economia do Brasil. Vamos passar por uma segunda votação na Câmara e pelo Senado. Espero que não haja nenhum processo de desidratação do texto. A reforma aprovada em primeiro turno não é ideal, mas é suficientemente boa para que a gente possa passar para outras agendas, que são as reformas microeconômicas e as privatizações.

O que a reforma pode trazer de vantagens?

Ela é condição suficiente para a retomada dos investimentos, que são a única forma de retomada da economia. Tenho falado com muitos investidores externos, e a reforma da Previdência é vital para que se garanta um déficit fiscal controlado. O déficit não vai melhorar no médio e prazos, mas pelo menos se eliminará o crescimento da curva negativa. O mundo está muito ansioso pela deliberação final do Congresso sobre a reforma.

E esse fôlego pode vir relativamente rápido?

O que vai acontecer é o seguinte: essa reforma é ligeiramete recessiva, pois tira um pouco de recursos da economia, mas ela traz a credibilidade com os investidores. E o investimento que o virá para o Brasil vai ser significativo, vai irrigar a economia brasileira e permitir a retomada do emprego. É o investimento que vai gerar emprego e a roda do crescimento. Eles devem voltar de forma gradativa, mas serão expressivos, trazendo uma curva positiva.

Após toda a tramitação da reforma da Previdência, qual é a próxima reforma necessária, em sua opinião?

A reforma do Estado. O Estado brasileiro gasta muito e entrega muito pouco para o cidadão, sendo absolutamente ineficiente. Precisamos aumentar a produtividade do setor estatal, é a próxima a ser feita.

E a reforma tributária?

O pessoal fala muito da reforma tributária, e eu também sou a favor, pelo lado da simplificação. Mas, em função do déficit que o País tem, não é viável diminuir a carga tributária, pois isso vai travar ainda mais a economia. A reforma tributária é desejável, mas não é a solução necessária para que a economia dê um salto de qualidade em termos de eficiência. 

O que o sr. acha do protagonismo do Congresso na tramitação da reforma da Previdência?

O alinhamento entre executivo e legislativo é fundamental. Para os cidadãos pouco importa de onde parta a iniciativa, mas hoje existe um alinhamento forte de ideias entre Legislativo e Executivo. Existem pequenas divergências, mas eu vejo essa proximidade com bons olhos. É importante a iniciativa do Legislativo em gerar ideias que possam transformar o Brasil.

Conseguimos, então, finalmente sair da 'teoria' para a 'prática' das reformas?

Demos um passo importante, mas ainda temos de passar pelo segundo turno na Câmara e pelo Senado. Nada garante, ainda, que essa reforma e as próximas serão aprovadas. O que eu vejo é uma predisposição da sociedade em geral de fazer as reformas acontecerem. O Brasil acordou para o fato de que as reformas são absolutamente necessárias para deixarmos de ter um crescimento marginal, muito abaixo do nosso potencial como nação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.