Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Após alta na véspera de fusão, ações da Perdigão e Sadia caem

Papéis das companhias fazem jus ao 'sobe no boato e realiza no fato'; ação da Perdigão é 2ª maior baixa da Bolsa

Agência Estado,

19 de maio de 2009 | 16h18

O negócio do ano no mercado corporativo brasileiro, a união entre Perdigão e Sadia, apesar de amplamente esperado, movimenta o segundo dia seguido de valorização da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), juntamente com as ações das blue chips e das siderúrgicas. As ações das duas maiores empresas brasileiras do setor de alimentos são negociadas em baixa, fazendo jus ao famoso ditado - "sobe no boato e realiza no fato".

 

Veja também: 

especialEspecial sobre a fusão entre Perdigão e Sadia

especialLinha do tempo das empresas

especialO tamanho das empresas e seus desafios no exterior 

 

Às 13h48, Sadia PN, que tem maior liquidez, recuava 1,98% e a ON tinha queda de 7,08%. Perdigão ON operava em baixa de 4,68%, segundo pior desempenho do Ibovespa. Analistas associam essa depreciação dos papéis, em especial Perdigão, que terá maior valor na relação de troca, à estratégia de investidores de reduzir preço para comprar mais barato lá na frente, de olho no IPO da nova empresa.

 

Os especialistas veem com bons olhos o nascimento da Brasil Foods, a maior processadora de carne de frango do mundo em faturamento e terceira maior exportadora brasileira, perdendo apenas para Vale e Petrobras. Segundo analistas, a Brasil Food resultará em mais ganhos de escala e sinergias para as duas companhias.

 

Segundo comunicado enviado nesta manhã à CVM, os acionistas da Perdigão ficarão com uma fatia de 68% da Brasil Foods, enquanto os acionistas da Sadia terão participação de 32%. A Brasil Foods fará uma oferta pública de ações para captação de recursos no valor estimado de R$ 4 bilhões. Segundo o presidente da Sadia, Luiz Fernando Furlan, a oferta deve ser feita até o final de julho. O objetivo da captação é sanar os problemas financeiros da Sadia, que, ao final de março, apresentava uma dívida total de R$ 8 bilhões. O dinheiro levantado, disse o executivo, será usado para reduzir dívidas mais caras e de curto prazo.

 

As operações da Sadia e da Perdigão ficarão separadas até a aprovação do negócio pelos órgãos de defesa da concorrência. As marcas e produtos das duas companhias serão mantidas no mercado.

 

Às 16h11, o Ibovespa subia 0,89%, aos 51.920 pontos, mostrando mais firmeza depois de ter balançado no começo do dia, com os investidores revelando insegurança após relatório nos EUA indicar que as construções iniciadas de residências caíram para nível recorde de baixa em abril. O número de obras de imóveis residenciais iniciadas nos Estados Unidos despencou 12,8% em abril, contrariando previsões de recuperação de 2%, fazendo com que os índices futuros em Nova York invertessem sinal e migrassem para o terreno negativo.

 

Análise

 

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está analisando o comportamento dos papéis da Sadia e da Perdigão. A área técnica da autarquia informou que irá avaliar o comportamento dos papéis antes e depois da divulgação do fato relevante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.