Rovena Rosa/Agência Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil

Após aprovação da Previdência, governo vai propor medidas de estímulo, diz Guedes

Segundo o ministro da Economia, se medidas para impulsionar a economia fossem anunciadas antes da reforma, poderia haver movimento de 'voo da galinha'; Guedes pretende ter uma agenda em São Paulo toda quinta-feira

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2019 | 17h45

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 23, que logo após a aprovação da reforma da Previdência o governo vai "deflagrar" um conjunto de medidas de estímulos da economia.

Ele citou como exemplo a simplificação de tributos federais, na reforma tributária, privatizações e a quebra do monopólio em segmentos do petróleo e gás que vão atrair investimentos privados para o setor. "Todo dia tem um plano no governo", disse em evento na capital paulista.

"O Rio de Janeiro vai virar o Texas", brincou o ministro ao falar das perspectivas do setor de petróleo e gás, arrancando aplausos dos presentes no evento.

Se medidas de estímulo fossem anunciadas antes da aprovação da reforma, disse o ministro, corria-se o risco de se criar um movimento de "voo da galinha", ou seja, começava-se um ciclo de investimento que seria interrompido em seguida pela incerteza com o avanço da agenda. Guedes disse acreditar que com a aprovação, a perspectiva dos agentes vai voltar a melhorar.

Sobre a reforma tributária, o ministro disse que a Câmara vai prosseguir com a proposta dos parlamentares, enquanto o governo vai seguir com a sua. "Lá na frente, vamos ver qual tem maior aderência."

Em sua apresentação, ele afirmou que o Brasil está em um buraco negro fiscal e que governadores e prefeitos entenderam o tamanho desse buraco. Por isso, o apoio de Estados e municípios aumentou. "Acreditamos que Previdência deve ser aprovada em 60 dias."

O ministro disse estar confiante na aprovação da reforma da Previdência e ressaltou que tem sido "extraordinária" a participação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Agenda em SP

O ministro da Economia prometeu que deve ter uma agenda na cidade toda quinta-feira após a aprovação da reforma da Previdência. Ele disse que tem estado ausente da cidade neste começo de governo de Jair Bolsonaro justamente porque o maior esforço no momento está em Brasília, em falar com a classe política sobre a necessidade de se aprovar a reforma da Previdência.

Após a aprovação, o foco é mais falar com a classe empresarial, sobre a retomada dos investimentos no País. Por isso, a intenção de se ter uma agenda fixa em São Paulo,  ressaltou o ministro, que falou por mais de 40 minutos e foi bastante aplaudido na cerimônia de posse do novo presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alfredo Cotait Neto, na capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.