Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dario Oliveira/Código-18
Dario Oliveira/Código-18

Após bater novo recorde, Bolsa abre acima dos 78 mil pontos

Bom humor nos mercados acionários internacionais sustenta pregão em alta; dólar recua frente ao real

Ana Luísa Westphalen, Silvana Rocha, Denise Abarca e Simone Cavalcanti, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2018 | 10h24

A Bolsa tenta engatar sua nona sessão seguida de alta nesta quinta-feira e opera acima dos 78 mil pontos, em meio ao bom humor que predomina nos mercados acionários internacionais diante de perspectivas otimistas para a economia global. Ontem, a Bolsa cravou sua oitava sessão seguida de alta e o Ibovespa renovou mais uma vez seu recorde, ao encerrar em 77.995,16 pontos. Os ganhos foram conduzidos pelos papéis da Petrobrás, em reação à proposta da companhia para encerrar uma ação coletiva movida por investidores nos Estados Unidos, com o pagamento de US$ 2,95 bilhões. 

+ CELSO MING: O que esperar de 2018

Às 10h40, o Ibovespa avançava 0,73%, aos 78.562,55 pontos, em linha com o desempenho dos índices futuros em Wall Street, nos Estados Unidos. As principais praças acionárias da Europa também sobem após dados reforçarem mais cedo a percepção de robustez da economia da região.

+ ‘Não é para sair da poupança e aplicar em ações; é um processo'

O dólar recuava frente ao real nesta quinta-feira, 4, pela manhã mantendo o movimento nos dois pregões anteriores, de olho na cena externa e nos esforços do governo do presidente Michel Temer para aprovar a reforma da Previdência no próximo mês.

+ Investir em bitcoin e outras criptomoedas: o que vai acontecer em 2018

 O dólar renovou mínima no mercado à vista, aos R$ 3,2265 (-0,49%) nesta amnhã. O operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado Neto diz que o dólar fraco ante real e outras divisas ligadas a commodities decorre da continuidade do movimento global de busca por ativos de risco, em reação à leitura de robustez da economia global e melhora dos indicadores internos.

+ Com juro baixo, investidor põe o pé no risco

Para ele, no entanto, o dólar começa a ficar em desacordo com os fundamentos de cautela local, que tem como pano de fundo a incerteza sobre o desfecho do julgamento de recurso do ex-presidente Lula e se ele poderá ou não concorrer à eleição presidencial, e em relação à reforma da Previdência.

Os ativos domésticos, com destaque para as ações e o real, estão ampliando os ganhos nesta tarde, com o dólar à vista tendo renovado mínimas e a Bolsa, máximas há pouco. O Ibovespa superou os 79 mil pontos. No câmbio, o dólar caía abaixo dos R$ 3,23, cotado a R$ 3,2270 (-0,47%) às 13h58, perto da mínima de R$ 3,2235 registrada pouco antes.

Nas mesas de operação, a melhora é atribuída à onda global de apetite pelo risco, que também leva as bolsas em Wall Street a romperem as máximas históricas. Além de NY, o Ibovespa é ajudado por fluxo estrangeiros. Os "gringos" atuam mais fortemente na ponta compradora no início desta tarde. Às 14h01, o Ibovespa subia 1,33%, aos 79.031,86 pontos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.