WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Após Brasil e EUA, Oi obtém proteção contra credores no Reino Unido

Operadora também recebeu parecer favorável ao pedido de recuperação judicial do Ministério Público do Rio de Janeiro

Mariana Sallowicz, Cynthia Decloedt, Bernardo Caram, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2016 | 21h36

A Oi obteve nesta quinta-feira, 23, proteção contra os credores no Reino Unido, decisão que se soma às da corte norte-americana e do Brasil. A operadora de telefonia brasileira está protegida temporariamente de ações e execuções antes mesmo de ter aprovado seu pedido de recuperação judicial no País, feito na segunda-feira, no qual alegou uma dívida total de R$ 65,4 bilhões. Também nesta quinta, o Ministério Público deu parecer favorável ao pedido de recuperação, que ainda aguarda aprovação da 7ª Vara Empresarial do Estado.

Depois da forte volatilidade observada até quarta-feira, as ações ordinárias da empresa fecharam com forte alta, de 35,94%. Durante o pregão, os papéis chegaram subir quase 100%, impulsionados por uma operação cruzada de compra e venda de ações, apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Segundo operadores, o Itaú comprou 9,692 milhões de ações ON e o Morgan Stanley vendeu 8,865 milhões desses papéis. Já as ações preferenciais subiram 13,75%. Segundo analistas, o mercado reagiu às possíveis mudanças na legislação atual das teles, que determina que, ao fim do contrato, bens como imóveis e equipamentos precisam ser devolvidos à União.

Enquanto aguarda aprovação de recuperação judicial para dar prosseguimento às negociações com os credores, a companhia tem conseguido se blindar contra a pressão dos “hedge funds” do exterior. Muitas dessas carteiras são especializadas em comprar ações de empresas e governos com problemas para lucrar com litígios na Justiça.

Nesta sexta-feira, 24, a associação que integra participantes do mercado de derivativos (que apostam em empresas problemáticas), Isda, decidirá se o pedido de recuperação judicial da Oi acionará os Credit Default Swap (CDS), instrumento financeiro que é uma espécie de seguro contra calote de um emissor (a Oi, nesse caso).

Se isso ocorrer, as instituições financeiras que venderam a proteção precisarão honrar esse compromisso. Uma fonte disse ao Broadcast que há cerca de US$ 14 bilhões desses contratos de proteção firmados sobre títulos da Oi, garantidos pela Portugal Telecom, o que significa que essas entidades terão de desembolsar tal montante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.