Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Após calote, mansão de Edemar Cid Ferreira é arrematada por R$ 9 milhões

Valor original do imóvel era de R$ 76 milhões; em maio, casa do ex-dono do Banco Santos havia sido arrematada por R$ 23,3 milhões, mas comprador não depositou o valor

O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 17h12

A "saga" da mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira pode ter chegado ao fim. Um comprador arrematou a mansão, que foi mais uma vez a leilão nesta semana, por R$ 9 milhões. Trata-se de uma fração do valor original de avaliação, mas foi uma forma da administração judicial dos bens do Banco Santos conseguir um desfecho para o caso. A história da casa é marcada por reviravoltas.

Essa história parecia ter chegado ao fim em maio, quando a casa foi finalmente arrematada em um leilão judicial – por um comprador não revelado – por R$ 23,3 milhões. O preço já poderia ser considerado uma pechincha, uma vez que o valor original pedido era de mais de R$ 76 milhões.

Mesmo assim, o arrematante acabou não honrando o pagamento, que deveria ter sido depositado sete dias úteis após a aquisição. Por isso, mais uma vez, o imóvel concluído no início dos anos 2000, pouco antes da quebra do Banco Santos, voltou para a tutela da Justiça. 

Estilo nababesco

Desde 2011, quando a família de Edemar Cid Ferreira foi obrigada a desocupar o imóvel pela Justiça, a mansão foi a leilão várias vezes. Às vezes a casa não era vendida por causa de uma liminar, em outras pela absoluta falta de interessados. Na véspera de um desses muitos certames, em 2017, a reportagem do Estado visitou a casa no Morumbi. À época, a maioria dos móveis e muitas obras de arte ainda decoravam a mansão.

A curiosidade pelo imóvel é justificada pelo estilo superlativo. Instalada em terreno de 12 mil m², a residência tem 4,5 mil m² de área construída e inclui facilidades como duas piscinas – uma coberta e outra ao ar livre –, uma adega que pode abrigar 5 mil garrafas de vinho, duas bibliotecas e uma vista panorâmica da cidade, com os páreos de domingo do Jockey Club de São Paulo em primeiro plano.

O idílio do banqueiro, da mulher e de seus filhos na casa, no entanto, foi curto. Depois de anos de obras, a mansão ficou pronta poucos meses antes da falência do Banco Santos ser decretada, em 2005. Com isso, Cid Ferreira foi obrigado a repensar o uso de certas alas de seu palácio. Conhecida pelo fascínio por arte, a família reservara uma ala da mansão para suítes que abrigariam artistas importantes de passagem por São Paulo.

Logo, porém, esses quartos tiveram sua função modificada: viraram um bunker da defesa do ex-banqueiro, com pilhas de processos tomando todo o espaço. Depois de os Cid Ferreira terem sido obrigados a deixar a casa, todos os cômodos foram esvaziados, embora alguns objetos pessoais dos ex-bilionários, incluindo camas e aparelhos de ginástica, tenham sido deixados para trás.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.