Tasso Marcelo|Estadão
Tasso Marcelo|Estadão

Após China e Egito, Chile também suspende veto à importação da carne brasileira

Serviço Agrícola e Pecuarista local manteve bloqueio aos 21 frigoríficos investigados pela Operação Carne Fraca

O Estado de S.Paulo

25 de março de 2017 | 12h01

Assim como a China e o Egito, as autoridades chilenas também liberaram a entrada da carne brasileira no país, neste sábado, e mantiveram a restrição apenas aos 21 frigoríficos investigados pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. 

Em comunicado oficial, o Serviço Agrícola e Pecuarista local (SAG, na sigla em espanhol) informou que também poderá vetar a entrada de cargas "de qualquer outro estabelecimento que apareça posteriormente nas investigações feitas pelas autoridades brasileiras". 

 

Após o anúncio do bloqueio da carne pelo governo chileno, na última segunda-feira, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, avisou que o Brasil poderia ter "reações fortes", como represálias aos produtos chilenos. O Brasil é o segundo maior provedor de carne do Chile, com a exportação de 37 mil toneladas anuais, perdendo apenas para o Paraguai, que compra 39 mil toneladas, de acordo com dados do governo chileno. 

O governo de Michele Bachelet é o terceiro a anunciar a suspensão ao veto da carne brasileira neste sábado. Mais cedo, Maggi havia confirmado que a China permitirá a entrada de cargas produzidas no País a partir da próxima segunda-feira, à exceção do produtos processados nos 21 frigoríficos investigados e dos que posseum certificados assinados pelos sete fiscais envolvidos no esquema de corrupção. Logo depois, o ministro da Agricultura do Egito confirmou que também receberá as carnes brasileiras. / COM INFORMAÇÕES DA AFP

Tudo o que sabemos sobre:
ChileBrasilOperação Carne Fraca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.