Haruka Sakaguchi/The New York Times
Haruka Sakaguchi/The New York Times

Após cinco anos, Apple volta a ser marca mais valiosa do mundo

Relatório Brand Finance mostra que empresa de tecnologia passou as gigantes Amazon e Google no último ano; apenas duas companhias brasileiras aparecem entre as 500 marcas mais valiosas

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2021 | 04h00

Depois de cinco anos, a Apple voltou a ser a marca mais valiosa do mundo, superando outras gigantes da tecnologia, a Amazon e o Google, de acordo com o relatório Brand Finance 2021, divulgado hoje. A estratégia de diversificação capitaneada pelo presidente da companhia, Tim Cook, fez o valor da marca dar um salto de 87% em um ano, atingindo US$ 263,4 bilhões.

O relatório cita a forte aposta da fabricante do iPhone em serviços, com o crescimento de ofertas como Apple Music e Apple TV+, que vieram para inserir a marca ainda mais no cotidiano das pessoas. “A Apple mostra habilidade de se reinventar continuamente e consegue se diferenciar de outras fabricantes de equipamentos, o que contribuiu para a marca ser a primeira empresa dos Estados Unidos a atingir valor de mercado de US$ 2 trilhões, em agosto de 2020”, diz o relatório.

O retorno da Apple ao topo não significa que a Amazon, líder do ano anterior, tenha perdido terreno. Segundo o estudo, a empresa viu o valor de sua marca subir 15% ao longo do ano passado, para US$ 254,2 bilhões. O levantamento lembra que a empresa foi beneficiada pela pandemia de covid-19, quando o uso do e-commerce cresceu em todo o mundo. A companhia, também presente em outros diversos segmentos, não tem medo de grandes investimentos: em 2020, comprou 11 aviões para agilizar suas entregas e melhorar a experiência do consumidor.

O “top 3” das marcas mais valiosas do mundo é completado pelo Google, que perdeu uma posição em relação ao ano passado. Apesar de dominar a internet em todo mundo, o buscador ficou quase no “zero a zero” no ano passado, com um avanço de 1% no valor de sua marca, para US$ 191,2 bilhões. Na visão da Brand Finance, a companhia está “marginalmente atrás” dos concorrentes em termos de diversificação e, por causa da pandemia, reportou a primeira queda de receita de sua história.

Além de Apple, Amazon e Google, há uma forte presença de empresas de tecnologia entre as dez maiores marcas do mundo. As outras sete integrantes do “top 10” são: Microsoft, Samsung, Walmart, Facebook, ICBC, Verizon e WeChat. De todas essas companhias, apenas duas – a varejista Walmart e o banco chinês ICBC – não têm origem no setor. 

Em grande parte dos setores, a Brand Finance notou que as empresas que mais ganham valor de marca – e, por conseguinte, presença na cabeça do consumidor – são as novas entrantes, que ajudaram a criar disrupção no “estado das coisas” de seu ramo de atividade. 

Um exemplo claro é a fabricante de carros elétricas Tesla: a empresa de Elon Musk foi a que mais se valorizou em todo o ranking, aponta a consultoria. Com alta de 158%, sua marca hoje vale US$ 32 bilhões, quase a metade do total de gigantes como Mercedes-Benz e Toyota.

O mesmo ocorre no mundo do entretenimento, em que Netflix e Spotify, pioneiras nos setores de streaming de filmes e música, respectivamente, aparecem bem à frente das rivais. A Netflix teve novo pico de utilização e viu sua marca ficar 9% mais valiosa, atingindo US$ 24,9 bilhões. Ainda é menos do que a Disney (que decaiu 9%, para US$ 51,2 bilhões), mas muito mais que a rede NBC (baixa de 44%, para US$ 8,4 bilhões). Já o Spotify entrou em 13 novos mercados e viu seu valor disparar 39%, para US$ 5,6 bilhões.

Outro segmento que apareceu com força foi o e-commerce – o que serviu para ampliar também o valor de algumas varejistas tradicionais. Isso ocorreu com o Walmart, que viu seu valor de marca subir 20%, graças a um grande salto em seu lucro no período da pandemia. Dentro dessa lógica, também houve valorização de varejistas como Target (+30%) e Costco (+28%).

Brasil no Top 500

A presença brasileira entre as 500 marcas mais valiosas do mundo, segundo levantamento da consultoria Brand Finance, se resume a dois bancos – o Itaú e o Banco do Brasil. Segundo o mais recente relatório da Brand Finance, o Itaú aparece em 387.º lugar, depois de perder 86 posições em relação ao ano anterior. O BB chegou ao 492.ª classificação, perdendo quase 30 posições.

“O Brasil tem menos marcas em setores que são altamente lucrativos e nos quais as marcas são muito importantes, em particular na área de tecnologia”, diz Alex Haigh, diretor de avaliação da Brand Finance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.