Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Após consolidação, a competição

Existe pouca competição no mercado brasileiro de telefonia fixa. Pelo menos até agora. As concessionárias locais Oi e Telefônica evitaram atacar as áreas uma da outra. O motivo apontado pelas empresas era a falta de infraestrutura. A Telefônica tem a concessão para São Paulo e a Oi para os demais Estados.

O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2011 | 03h04

Com a compra da Vivo pela Telefônica, a situação muda. O grupo começou a usar a rede móvel para prestar serviços fixos, sem fio. O objetivo é conquistar o mercado de banda larga, oferecendo pacotes completos de serviços. Os principais concorrentes da Telefônica e da Oi são a Net e a GVT, mas a rede dessas empresas é limitada.

Atualmente, a Portugal Telecom está no bloco de controle da Oi. Foi a operadora portuguesa quem vendeu a participação na Vivo para a Telefônica. O relacionamento das duas empresas, nos últimos anos, não foi fácil. Essa condição pode ser vista como mais um motivo para o acirramento da competição. A Anatel, além disso, planeja obrigar a Oi a instalar rede fixa em São Paulo.

Cenário: Renato Cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.