Após Copom, dólar cai 0,32% e fecha no menor nível desde 99

Moeda norte-americana fecha cotada a R$ 1,579 mesmo com intensa queda nos mercados mundiais

Reuters,

24 de julho de 2008 | 16h12

O aumento do juro pelo Banco Central fez o dólar cair nesta quinta-feira, 24, para o menor nível em mais de nove anos, mesmo com a intensa queda das bolsas e o aumento da aversão a risco no exterior. A moeda norte-americana terminou o dia a R$ 1,579, em baixa de 0,32%. É a menor cotação de fechamento desde 19 de janeiro de 1999, dias após o Brasil adotar o regime de câmbio flutuante.  Veja também:Copom surpreende e sobe juro em 0,75 ponto, maior em 5 anosA evolução da taxa Selic no governo Lula   O BC anunciou na véspera um aumento de 0,75 ponto percentual na taxa de juro para combater as pressões inflacionárias. A Selic, agora a 13% ao ano, havia subido 0,5 ponto percentual nas duas reuniões anteriores.  "Já estava prevista uma possível alta de 0,5 (ponto). E hoje você vê que o real se valorizou mais ainda. Isso porque (o aumento do juro) não foi de 0,5 (ponto), foi de 0,75", disse Tarcísio Rodrigues, diretor de câmbio do Banco Paulista.  A queda do dólar ocorreu a despeito da turbulência no exterior. As bolsas nos Estados Unidos caíam quase 2% à tarde por conta da alta do petróleo e da queda das vendas de moradias usadas para o menor nível em 10 anos. O risco Brasil subia 8 pontos, e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuava 1,7%.  Com o juro maior, aumenta o espaço para as chamadas operações de arbitragem. Nelas, por meio de transações no mercado de derivativos, os investidores aproveitam a diferença entre o juro praticado no Brasil e no exterior. Nos Estados Unidos, por exemplo, a taxa básica está em 2% ao ano.  Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os estrangeiros já tinham em derivativos cambiais na quarta-feira mais de US$ 6 bilhões em posições vendidas. Quando o agente detém uma posição vendida em dólar, ele lucra com a desvalorização da moeda diante do real.  Segundo Rodrigues, o grau de investimento obtido há alguns meses pelo Brasil potencializa o efeito que a alta do juro tem sobre o dólar. "Muitos fundos não podiam aplicar no Brasil, e agora podem", disse.  O Banco Central realizou no meio do dia um leilão de compra de dólares no mercado à vista. Foram aceitas duas propostas, segundo um operador, com taxa de corte de R$ 1,5746.

Mais conteúdo sobre:
DólarMercado FinanceiroCâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.