Reuters
Reuters

Após corte na Selic, bancos anunciam redução de juros

Instituições baixaram taxas para empréstimos e cheque especial; no caso do BB, houve redução também no crédito imobiliário

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2017 | 20h03

Na esteira da redução da Selic, a taxa básica de juros, para 11,25% ao ano, os principais bancos de varejo no Brasil anunciaram reduções nas taxas praticadas em empréstimos e no cheque especial. No caso do Banco do Brasil, haverá redução nas taxas também para o crédito imobiliário. As novas condições valerão a partir da próxima semana para os correntistas desses bancos.

Bradesco

No Bradesco as novas taxas começam a valer a partir de 17 de abril, em toda a rede de agências do banco. No caso dos clientes pessoa física, o cheque especial teve sua taxa mínima reduzida de 9,65% para 9,57% ao mês, e a máxima caiu de 13,49% para 13,41% ao mês. Já no crédito pessoal, a taxa mínima passou de 1,83% para 1,75% ao mês, e a máxima de 7,66% para 7,58% ao mês. De acordo com nota do Bradesco, as principais linhas de financiamento para pessoa jurídica também acompanharam a mudança da Selic.

O banco lembra ainda que na modalidade de cartão de crédito reduziu os juros do rotativo desde 3 de abril. Com isso, a taxa passou a ser de 3,10% ao mês na mínima e 9,39% ao mês na máxima, equivalente a um corte de 65% na taxa anual. Já o juro do parcelamento da fatura está entre 3,10% e 9,29% a.m., correspondendo a uma redução de 11% na taxa anual.

Banco do Brasil

O Banco do Brasil, em nota, destacou que a queda mais expressiva foi para as linhas de crédito imobiliário pessoa física nas contratações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e da carteira hipotecária.

A nova taxa para as operações no âmbito do SFH passa a ser de 9,99% ao ano na faixa mínima, redução de 0,81 ponto porcentual na comparação com os 10,80% praticados hoje. Para a faixa superior, a nova taxa passar a ser de 10,94% ao ano, ante os 11% ao ano que Banco cobrava até aqui. Nos financiamentos da carteira hipotecária, a taxa cai de 11,80% ao ano para 10,90% ao mês no piso; e de 12,02% para 11,99% ao ano no patamar superior.

Na pessoa física, os juros ficam mais em conta no crédito para aquisição de veículos, com redução de 1,28% ao mês para 1,23% ao mês, na faixa mínima, e de 3,86% ao mês para 3,81% ao mês no patamar máximo. O BB também reduziu os juros para o cheque especial da pessoa física: as taxas agora flutuam entre 4,31% ao mês no piso, e 12,84% ao mês no teto, ante 4,36% e 12,89% ao mês, cobrados até agora.

As taxas para pessoas jurídicas também tiveram redução, com recuo mais significativo para as linhas do cheque ouro empresarial e giro rápido rotativo, agora em 8,38% ao mês, ante os 8,43% cobrados até então.

O BB também passa a oferecer juros menores nas linhas para aquisição de veículos por pessoas jurídicas (redução de 1,47% para 1,42% ao mês no piso e de 3,24% para 3,19% ao mês na máxima) e na antecipação de crédito lojista (ACL), com redução de 1,58% ao mês para 1,53% ao mês e de 3,94% para 3,89 ao mês no maior patamar. 

Santander

No Santander, a taxa mínima do crédito pessoal em todos os canais de atendimento do Santander cairá de 1,99% para 1,89% ao mês, enquanto a máxima diminuirá de 7,99% para 7,89% ao mês. No financiamento a veículos, os juros mínimos passarão de 1,25% ao mês a 2,79% ao mês. Já os máximos serão diminuídos de 2,79% para 2,69% ao mês. As mudanças também valerão a partir do dia 17.

Itaú

O Itaú Unibanco anunciou o repasse integral do corte. As novas taxas passam a valer a partir do dia 18 de abril e vão impactar, de acordo com o banco, todos os clientes que usam o empréstimo pessoal e cheque especial. No caso das micro e pequenas empresas, haverá redução nas taxas do cheque especial e capital de giro.

Os clientes que têm cheque especial, cerca de 1,2 milhão de pessoas com histórico de pontualidade e bom relacionamento com o banco terão, ainda, uma redução de 3 pontos porcentuais na taxa. O banco lembra que anunciou recentemente corte médio de 4 pontos porcentuais em suas taxas do rotativo do cartão de crédito. 

Desde o início de abril, as taxas variam de 1,99% a 9,90% ao mês. Os juros do parcelamento foram reduzidos em torno de 2 p.p., ficando entre 0,99% e 8,90% a.m. Na semana passada, o Itaú também diminuiu sua taxa de crédito consignado, passando a operar com valores a partir de 2,14%.  

Caixa

A Caixa Econômica Federal já havia anunciado na terça-feira, 11, a redução das taxas de juros do rotativo dos cartões de crédito. Segundo o banco, a redução na taxa mensal do rotativo foi de 7,7 pontos porcentuais.

As taxas agora variam de 8% a 11% ao mês, conforme o tipo de cartão do cliente. Antes, os juros dessa modalidade iam de 11,15% a 17,12% ao mês. O rotativo é o crédito tomado junto à instituição financeira quando o consumidor paga menos que o valor integral da fatura do cartão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.