Após críticas, Ikea fará recall de 1,7 milhão de móveis na China

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Após críticas, Ikea fará recall de 1,7 milhão de móveis na China

Nos EUA, acidentes com os móveis já provocaram a morte de ao menos seis crianças; recall envolve modelos da linha MALM produzidos entre 1999 e 2016

Reuters

12 de julho de 2016 | 20h23

Empresa sueca de móveis Ikea Group afirmou que fará o recall de 1,66 milhão de cômodas e gaveteiros na China. O recall se deve a preocupações de que os móveis podem ser um perigo para as crianças se não forem devidamente fixados às paredes.

O recall abrange gaveteiros e cômodas da linha Malm fabricados entre 1999 e 2016, segundo a Administração Geral da China de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena (AQSIQ).

A decisão da IKEA vem após a agência de notícias oficial Xinhua ter criticado na semana passada a empresa de não assumir a responsabilidade pelo problema no país.

Há duas semanas a IKEA anunciou o recall de 36 milhões de cômodas nos Estados Unidos e Canadá mas afirmou que não iria estender à China pois os produtos estavam em conformidade com os regulamentos do país.

Acidentes com os móveis já provocaram a morte de ao menos seis crianças, segundo a Comissão de Segurança de Produto ao Consumidor dos EUA. Uma criança morreu cerca de 27 anos atrás, enquanto os outros óbitos foram mais recentes, entre 2002 e 2016. O órgão americano ainda disse que recebeu 36 relatos de crianças que se acidentaram. 

A queda de móveis ou aparelhos de televisão matam uma criança a cada duas semanas nos Estados Unidos, segundo a comissão./REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
MóveisMorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.