Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Após da redução da Selic, Caixa diminui juros

Depois do corte de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic, atualmente fixada em 17,25% ao ano), decidido ontem, a Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou a redução dos juros de algumas das suas linhas de crédito para as empresas. "Com esses cortes, a Caixa busca proporcionar uma redução do custo financeiro das empresas, especialmente no segmento das micro, pequenas e médias, que não possuem o mesmo poder de negociação que as grandes, contribuindo para o crescimento dessas empresas e do país", estava na nota distribuída pela Caixa. Veja a seguir as reduções de juros de algumas das linhas da Caixa:Desconto de Duplicata - máxima caiu de 3,48% para 3,37% ao mês e a mínima caiu de 1,97% para 1,85% ao mêsDesconto de Cheques - máxima caiu de 3,25% para 3,13% ao mês e a mínima de 1,97% para 1,85% ao mêsDesconto de Cheque Eletrônico - máxima caiu de 3,16% para 3,05% ao mês e a mínima de 1,97% para 1,85% ao mêsGiroCaixa Instantâneo Múltiplo - máxima caiu de TR+2,59% ao mês para TR+2,50% e a mínima foi reduzida de TR+1,89% para TR+1,80% ao mêsBBA mesma decisão foi anunciada logo ontem pelo Banco do Brasil.Saiba mais.SelicA Selic é taxa referencial de juro da economia. Esta taxa é definida pelo Banco Central dentro de uma política monetária que tem como base o cumprimento de metas de inflação. Ou seja, para deixar a inflação sob controle, o BC usa a ferramenta dos juros. Isso acontece porque, quando a atividade econômica e consumo ficam altos, a inflação tende a aumentar e sair da meta determinada pelo BC. Para impedir que isso aconteça, o juro básico é elevado, o que inibe a consumo e a atividade econômica. Contudo, se esta política de juros mais altos permanece por muito tempo, a economia pode desacelerar de maneira mais forte, prejudicando o mercado de trabalho e a renda dos trabalhadores.Este cenário já tem sido visto atualmente nos últimos números do mercado de trabalho e da produção industrial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.