Após decisão do Copom, Bovespa abre em alta

Decisão unânime de reduzir os juros leva especialistas a apostarem em novo corte na taxa em outubro

Sueli Campo, da Agência Estado,

06 de setembro de 2007 | 10h34

Após ter realizado lucros na quarta-feira, 5, na esteira do comportamento negativo externo, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta. Às 10h32, a Bolsa paulista subia 1,20%, aos 55.063 pontos. No mercado de câmbio, o dólar operava na mínima do dia às 10h27, caindo 0,76%, para R$ 1,954.   Analistas atribuem um pouco desse clima mais favorável no Brasil à decisão unânime do Comitê de Política Monetária (Copom) de cortar a taxa básica de juro em 0,25 ponto porcentual, para 11,25% ao ano.   Essa decisão por consenso está levando uma boa parte de especialistas a apostar em nova redução da Selic de 0,25 ponto porcentual na reunião de outubro. Mas há quem ache que essa unanimidade pode sinalizar que o ciclo de baixa de juro chegou ao fim.   Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto, que ficou em 0,47%, quase o dobro do resultado de 0,24% apurado em julho, mas dentro das previsões.   No cenário externo, as preocupações com o mercado de crédito continuam no foco das atenções. As bolsas na Europa registram leve baixa, após o Banco Central Europeu (BCE) ter mantido, como era esperado, em 4% a taxa de juro na zona do euro.   Também o Banco da Inglaterra manteve a taxa de referência da economia em 5,75%, mas em nota afirmou que ainda é muito cedo para dizer se a extensão dos problemas no mercado financeiro irá afetar a oferta de crédito para as companhias e para as famílias.   Primeira linha   O desempenho da Bolsa pode ser influenciado ainda por notícias relacionadas às ações de primeira linha (blue chips) Petrobras e Vale do Rio Doce. A descoberta de óleo leve em um bloco da Bacia de Santos pelo consórcio formado pela Petrobras, British Gas (BG) e REPSOL YPF Brasil, anunciada na quarta à noite, pode dar um gás adicional aos papéis da estatal, que caíram bem menos do que o mercado. As ações recuaram 0,40%, enquanto o Ibovespa caiu 1,53%. Segundo a Petrobras, uma avaliação realizada pela estatal no poço indica a produção de 2.900 barris de óleo e 57 mil metros cúbicos de gás por dia.   No caso da Vale, o jornal Valor Econômico informa nesta quinta que a companhia decidiu abrir mão de seu direito de preferência na compra do excedente de minério de ferro da Casa de Pedra, mina da CSN. A Vale, segundo o jornal, informou esta opção em ofício enviado ao Cade na noite de terça-feira, sinalizando assim que pretende manter a Ferteco, mineradora que adquiriu em 2001, isto se a mineradora for derrotada no Judiciário e tiver que cumprir determinação do Cade.   E os rumores sobre compra da Rio Tinto pela Vale e pela BHP continuam. As ações da Rio Tinto subiam 2,30% mais cedo em Londres, impulsionadas por rumores de que as rivais BHP Billiton e Vale estão planejando se unir para comprar o grupo anglo-australiano.  

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.