Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Após dois meses, Bolsa volta ao topo

Aplicação foi a mais rentável no mês, com valorização de 10,67%; dólar perde 6,57% e fica em último lugar

Rosangela Dolis, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2007 | 00h00

Com valorização de 10,67%, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foi a aplicação mais rentável no mês de setembro; há dois meses a Bolsa não liderava o ranking dos investimentos. O ouro, em segundo lugar, subiu 3,77%. Já o dólar comercial, com queda de 6,57%, ocupa a última posição no ranking de setembro; em agosto, foi o primeiro colocado. No segmento de renda fixa, em setembro, pelo segundo mês consecutivo, fundos de investimento, CDBs e caderneta ofereceram rendimento abaixo da inflação, que no mês foi de 1,29%, medida pelo Índice Geral de Preço do Mercado (IGP-M). Em setembro, a Bolsa retomou o fôlego perdido em julho, motivada pelo corte de 0,5 ponto porcentual da taxa de juro americana pelo Fed (banco central americano) no dia 18 de setembro e pela expectativa de que a instituição poderá fazer nova redução da taxa em sua reunião de outubro. Condições internas favoráveis, como queda dos juros, maior atividade econômica e crescimento do PIB, também deram impulso às ações. Na renda fixa, os fundos de renda fixa foram a melhor opção em setembro, com rendimento de 0,78%, já descontado o Imposto de Renda de 22,5% sobre o rendimento. O desempenho representou uma recuperação ante agosto, quando esses fundos, por terem títulos prefixados, foram prejudicados pela forte elevação dos juros internos no meio do mês em decorrência do agravamento da crise de hipotecas americanas do subprime(de alto risco). Os fundos DI, cujo objetivo de rendimento é acompanhar o juro de mercado, incorporou em setembro a queda das taxas internas após a dissipação da crise americana e fechou o mês com rendimento líquido médio de 0,62%. Para pequenos investidores, no entanto, que têm acesso a carteiras que cobram taxas de administração mais elevadas, o rendimento foi de 0,50%, menor que o de 0,54% oferecido pela caderneta.No ano, até setembro, a Bolsa também é líder de rendimento, com valorização de 35,94%, enquanto o dólar comercial mantém-se na última posição, com queda de 14,14%. Nesse prazo mais longo, as aplicações de renda fixa oferecem rendimento acima da inflação acumulada em 4,07% pelo IGP-M. Os rendimentos líquidos médios acumulados no período são de: fundos de renda fixa, 7,77%; fundos DI, 7,38% (6,06% para pequenos investidores); CDB de R$ 100 mil, 7,06%; CDB de R$ 5 mil, 5,60%; caderneta, 5,85%; ouro, 1,15%; e dólar paralelo, queda de 11,02%. PARA OUTUBROPara o professor e consultor de finanças pessoais Marcos Crivelaro, a Bolsa entra em outubro em patamar já muito elevado, após uma recuperação que ele considera ainda cedo para saber se tem consistência. Já na renda fixa, "o problema é a inflação", diz. Diante desse cenário, ele recomenda a aplicação em um mix de renda variável com renda fixa, como os fundos multimercado. "Esses fundos podem se beneficiar de movimentos de alta na bolsa e minimizar perdas em caso de queda das ações", explica Crivelaro. O administrador dosa o volume de ações e o de títulos de renda fixa conforme a situação do mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.