Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Após forte aposta no País, espanhola Isolux desiste de obras de infraestrutura

Empresa, que chegou a ter R$ 5 bilhões em caixa para o mercado brasileiro, rescindiu o contrato com governo paulista para a construção da Linha 4 - Amarela do metrô e quer se desfazer das obras de duplicação da BR-381, em MG

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2015 | 02h04

Sem grandes oportunidades na Europa e de olho no potencial do Brasil, a espanhola Isolux Corsán desembarcou no mercado brasileiro em 2011 com R$ 5 bilhões em caixa para investir e com a decisão de transferir para o País a sede de sua subsidiária de infraestrutura. Hoje, quatro anos depois de decidir reforçar sua presença no Brasil (ela já tinha negócios na área de energia desde 2001), a multinacional faz o caminho inverso e se desfaz de importantes obras arrematadas em leilões do poder público.

Primeiro foi a rescisão do contrato com o governo paulista para construção de estações da Linha 4 - Amarela do metrô. Agora é a vez das obras de duplicação da BR-381, em Minas Gerais. Em carta enviada ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, do Ministério dos Transportes, a empresa pediu a rescisão amigável dos contratos dos lotes 1, 2 e 3.1.

Em São Paulo, a briga em torno das obras do metrô se arrastava desde novembro do ano passado e terminou no fim de julho com a rescisão contratual, que deve ir para arbitragem internacional, já que o governo paulista promete aplicar multas ao consórcio por descumprimento das obrigações. O Dnit diz que ainda está avaliando os serviços executados para decidir que medidas adotar contra a empresa e para dar continuidade nas obras. A expectativa é que sejam convocados os grupos que participaram da licitação, conforme a ordem de classificação.

Do lado da Isolux, o argumento é que ficou difícil tocar os projetos sem a contrapartida dos governos. No metrô de São Paulo, ela alega demora de 27 meses na entrega dos projetos e a constante revisão do cronograma, que seria concluído com 75 meses de atraso. Na rodovia mineira, a empresa reclama que, 18 meses depois da assinatura do contrato, as licenças ambientais e as desapropriações necessárias para a realização das obras não haviam sido liberadas. Segundo uma fonte próximas às negociações, o estopim para o pedido de rescisão com o Dnit foi o atraso de mais de 100 dias no pagamento das faturas.

No mercado, o forte apetite da Isolux, com lances ousados, incomodava os concorrentes. Segundo o presidente da Associação Paulista de Obras Públicas (Apeop), Luciano Amadio, os preços eram tão inexequíveis que, desde o começo, era fácil saber que as obras não seriam concluídas. Para uma fonte que prefere não se identificar, como a lei permite aditivos contratuais, em que os preços podem ser elevados em até 25% numa obra, muitas empresas apostavam nesse instrumento. Em alguns casos, ela já entravam numa disputa de olho nesse porcentual, ofereciam deságios elevados e, mais tarde, pediam revisão do contrato.

Para um outro executivo, os lances ousados da Isolux não seriam um entrave num país com maior agilidade nas decisões e menos burocracia. O problema é que, ao reduzir muito o preço em uma licitação, a margem das empresas diminui e não permite reviravoltas no projeto, como ocorre no Brasil. A revisão de cronogramas, por exemplo, tem efeito negativo nos contratos. Quanto mais tempo se demora para concluir um projeto, maior o valor gasto na obra por causa das despesas fixas, como o salário dos funcionários, aluguel de equipamentos, etc.

Em entrevistas no exterior, o presidente mundial da Isolux, Antonio Portela, afirmou que ainda crê no Brasil, embora enfrente problemas com agências reguladoras e órgãos administrativos. Apesar dos obstáculos, ele afirma que continuará avaliando e observando a rentabilidade e condições para participar de novas licitações no País. Além das obras do metrô e da BR-381, a Isolux está construindo um trecho do Rodoanel Norte de São Paulo.

Nessa obra, a empresa enfrenta o problema de ter um sócio envolvido na Operação Lava Jato, que é a construtora Mendes Júnior. Apesar das dificuldades financeiras da parceira brasileira, o consórcio tem conseguido cumprir o cronograma, segundo o diretor-presidente da Dersa-SP, Laurence Casagrande Lourenço.

Tudo o que sabemos sobre:
Isolux CorsánLinha 4 Amarelametrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.