EFE/ Kim Chul-soo
EFE/ Kim Chul-soo

Após incêndios, Coreia do Sul proibirá circulação de BMWs com defeito

Fabricante de automóveis convocou recall de 42 modelos após descobrir falha no motor; governo estipulou pena de um ano de prisão para quem descumprir norma

O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 04h53

SEUL - O governo da Coreia do Sul proibirá, a partir desta quarta-feira, 15, a circulação de 42 modelos de BMWs chamados para recall que ainda não passaram por vistoria. Ao menos 106 mil carros apresentaram falhas na refrigeração do motor, que levou a pelo menos 40 incêndios neste ano.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura e Transporte, a proibição afetará cerca de 20 mil veículos em todo o país. Os motoristas terão permissão apenas para levar os veículos listados no recall para centros de vistoria. Quem descumprir a regra, pode enfrentar um ano de prisão.

Apesar da medida servir para incentivar os proprietários a levarem os carros para vistoria, o governo sul-coreano afirmou que moverá acusações "agressivamente" a quem se opor à norma.

Segundo estimativas do governo, ao menos 40 veículos BMW pegaram fogo na Coreia do Sul neste ano por suspeita de superaquecimento do motor. Alguns estacionamentos de Seul passaram a proibir a entrada dos veículos após incêndios atingirem carros estacionados ao lado.

No mês passado, a BMW reconheceu uma falha no motor de 42 modelos e anunciou um recall de 106 mil veículos. O problema envolve a circulação de gases de refrigeração. Quando o motor fica aquecido, como em viagens de longa duração em alta velocidade, o carro corre risco de incêndio.

Segundo o governo, apesar do recall, cerca de 27 mil carros no país ainda não receberam certificados de segurança emitidos por vistorias especializadas. //ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Coreia do Sul [Ásia] BMW incêndio recall

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.