Após invasão da Alerj, comandante que permitiu protesto é exonerado

Segundo a corporação, a troca já estava prevista antes da invasão ocorrida na terça-feira, mas integrantes da PM atribuem a exoneração à pressão de Picciani

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2016 | 20h26

RIO - Dois dias depois que policiais militares do Batalhão de Policiamento de Grandes Eventos (BPGE) e do Batalhão de Choque permitiram a entrada de uma multidão de manifestantes na sede da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), onde ocuparam o plenário e chegaram a destruir objetos, a Polícia Militar do Rio anunciou que o coronel Rodrigo Sanglard foi exonerado do comando do BPGE. Ele será substituído pelo tenente coronel Rubens Castro Peixoto Junior.

Segundo a corporação, a troca já estava prevista antes da invasão ocorrida na terça-feira, mas integrantes da PM atribuem a exoneração à pressão do presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani (PMDB), que criticou duramente a invasão à Casa.

A ocupação permitida pela PM foi um protesto de servidores contra projetos enviados à Alerj pelo governo estadual para equilibrar as contas públicas. Em nota, Picciani afirmou que "a invasão do plenário da Alerj é um crime e uma afronta ao estado democrático de direito sem precedentes na história política brasileira e deve ser repudiado. Esse é um caso de polícia e de justiça e não vai impedir o funcionamento do Parlamento. (...)Os prejuízos causados ao patrimônio público serão registrados e encaminhados à polícia para a responsabilização dos culpados".

Não houve alteração no comando do Batalhão de Choque, que também atuava na Alerj na terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.