Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Após Itaú, Bradesco também vai pagar correção dos planos econômicos à vista

Liberação dos recursos será feita aos poupadores que reivindicaram judicialmente as indenizações e aderiram aos termos do acordo

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 16h13

O Bradesco confirmou nesta quarta-feira, 23, conforme antecipou o Broadcast, que pagará à vista a correção dos planos econômicos de 1980 e 1990 aos poupadores que reivindicaram seu direito judicialmente. O banco pagará as indenizações em uma única parcela, respeitando o cronograma estipulado no acordo.

+ Bancos diminuem juros do crédito consignado, acirrando disputa pelo mercado

Segundo nota do Bradesco à imprensa, a liberação dos recursos será feita aos poupadores que reivindicaram judicialmente as indenizações, aderiram aos termos do acordo e indiquem o Bradesco para o recebimento.

O Itaú Unibanco foi o primeiro grande banco a anunciar a medida de pagamento à vista das indenizações, em março, para correntistas do banco que se enquadrassem nos critérios estabelecidos. Já o Santander Brasil informou que fará a antecipação dos valores devidos aos poupadores, mas por meio de uma linha de crédito nos moldes das que os bancos oferecem para antecipação do 13º salário ou do Imposto de Renda, com custo de 1,49% ao mês. O Banco do Brasil também considera fazer algum tipo de antecipação aos poupadores.

+ Depois de Itaú e Santander, BB também avalia pagar à vista indenização de planos econômicos

Os bancos privados não abrem as provisões que possuem para planos econômicos. Tanto Itaú quanto Bradesco informam, em seu formulário de referência, que o colchão para demandas cíveis, que incluem as futuras indenizações, é superior a R$ 5 bilhões. Já o Santander contava, ao final de dezembro último com R$ 2,5 bilhões em provável risco de perda decorrente de passivos do contencioso cível. Conforme o banco explica em seu formulário de referência, esse valor está provisionado e o possível risco de perda relacionado a passivos decorrentes do contencioso cível totalizava R$ 1,3 bilhão.

O BB conta com R$ 4,5 bilhões em provisões para fazer frente ao pagamento aos poupadores. Já a Caixa Econômica Federal informou que 222 mil poupadores podem fazer a adesão junto ao banco público, num valor total de R$ 1,2 bilhão. Segundo a instituição, mais da metade vai receber até R$ 5 mil, patamar em que todos recebem os recursos de uma só vez. Ao final de dezembro, a Caixa somava cerca de R$ 1,5 bilhão para fazer frente às indenizações por conta dos planos econômicos.

Nesta terça-feira, começaram as adesões ao acordo entre a Febraban e os representantes dos poupadores sobre os planos econômicos Bresser (1987), verão (1989) e Collor 2 (1991). O acordo estabelece que para valores de até R$ 5 mil, o poupador receberá em uma única parcela à vista. Entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, a indenização pode ser feita em uma parcela à vista e duas semestrais. Já acima dos R$ 10 mil, serão pagos uma parcela à vista e quatro semestrais.

"Apesar dos termos fixados neste acordo, sensível ao atual momento econômico, o Bradesco realizará todos os pagamentos à vista.  Os poupadores e seus advogados deverão aderir ao acordo no portal oficial", conclui o banco, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.