Daniel Sobral|Futura Press
Daniel Sobral|Futura Press

Após licenças, férias coletivas e PPE, Mercedes-Benz começa a demitir

Empresa afirma que adotou todas as medidas possíveis de corte de produção, mas não tem mais alternativas; Sindicato dos Metalúrgicos do ABC diz que intenção da empresa é demitir 1.870 e realiza assembleia para definir o que fará

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2016 | 05h00

A Mercedes-Benz suspendeu toda a produção de caminhões e ônibus na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, por tempo indeterminado e iniciou nesta segunda-feira, 15, demissões de trabalhadores, por meio de telegramas.

A empresa não informa o tamanho do corte, mas diz que os primeiros a receberem comunicados de dispensa compõem o grupo de 1,4 mil trabalhadores que está em licença remunerada desde fevereiro.

Desde esta segunda-feira, a maioria dos 9,8 mil trabalhadores da unidade está em casa sem saber a data de retorno à fábrica. No início do mês, a empresa já havia informado que, “diante de um cenário que tem se agravado cada vez mais, não temos outra alternativa a não ser a redução do quadro de pessoal”.

Após encerrar um programa de demissão voluntária que teve 630 adesões, a empresa informou ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC ter ainda 1.870 trabalhadores ociosos. Na quarta-feira, 17, a entidade realizará assembleia com os funcionários no portão da Mercedes para definir medidas de protesto.

“A empresa tem de ter responsabilidade social e apostar na negociação e no diálogo. Sabemos que existem alternativas a serem adotadas sem que seja necessário demitir. Toda ação tem uma reação. Os trabalhadores estão mobilizados e vão lutar pelos seus empregos”, diz Moisés Selerges, diretor do sindicato.

Medidas. A direção da Mercedes ressalta que, desde 2014, adotou diversas medidas de flexibilidade e gestão de mão de obra para gerenciar o excedente de pessoal que, no início do ano, era de mais de 2,5 mil pessoas. A fábrica de São Bernardo opera com menos da metade de sua capacidade de produção.

A montadora recorreu ao lay-off (suspensão temporária dos contratos), ao Programa de Proteção e Emprego (PPE) – que reduz jornada e salários –, férias coletivas, licença remunerada, PDVs e semana reduzida de trabalho. Atualmente, opera um dia a menos por semana.

Mesmo após a demissão de parte do quadro, a empresa informa que terá de manter algumas dessas medidas de redução de produção.

De janeiro a julho, as vendas de caminhões da Mercedes-Benz caíram 23,3% em relação ao mesmo período de 2015, totalizando 8.783 unidades. O mercado total teve queda de 30,9%, para 30.273 caminhões. Já as vendas de ônibus da marca caíram 27,7%, enquanto no mercado total o recuo foi de 33,4%.

Ford e VW. Além da Mercedes, estão com a produção suspensa na região do ABC a Ford e a Volkswagen. Juntas, as três montadoras têm cerca de 20 mil trabalhadores em casa. A Ford deu férias coletivas aos cerca de 3 mil operários das linhas de automóveis e caminhões desta segunda-feira até o dia 26, “para adequar o volume de produção às condições do mercado”.

A Volkswagen deixará em casa os 8 mil funcionários da área produtiva por 20 ou 30 dias por falta de peças para a produção. A empresa rompeu contrato com a Keiper, fornecedora de componentes com quem trava uma briga comercial há mais de um ano, e prepara um novo fornecedor.

Além da unidade de São Bernardo, estão paradas as outras duas fábricas de automóveis da Volkswagen em Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR) e a de motores em São Carlos (SP).

Incluindo os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e tratores, as montadoras demitiram neste ano 3 mil trabalhadores e empregam hoje 126,8 mil pessoas, retrocedendo assim ao efetivo que tinham em 2010.

Do total que ainda tem vínculo empregatício, 21 mil estão no PPE e 5 mil em lay-off, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.