Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Após mudança de governo, empresas captam US$ 9,6 bilhões no exterior

Volume de recursos conseguidos com investidores estrangeiros por Petrobrás, Vale, Marfrig, Cosan e Eldorado já supera todo o valor do ano passado; mercado foi ‘destravado’ com a queda do risco Brasil, que passou de 500 para 300 pontos

Josette Goulart, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2016 | 05h00

As empresas brasileiras estão aproveitando a melhora da avaliação sobre o risco Brasil, após a mudança de governo, para captar recursos no exterior e refinanciar suas dívidas. Os investidores estrangeiros compraram, em menos de um mês, US$ 9,6 bilhões em bônus de empresas como Petrobrás, Marfrig, Vale, Eldorado e Cosan. E a expectativa é de que mais companhias façam novas emissões nas próximas semanas.

A demanda por papéis de empresas brasileiras já conhecidas no mercado está muito superior à oferta, segundo o diretor gerente do Bradesco Banco de Investimento (BBI), Leandro de Miranda, que esteve à frente das operações da Marfrig, Vale e Cosan. O volume captado pelas companhias nos últimos dias já supera todo o volume do ano passado, de cerca de US$ 8 bilhões. Miranda lembra, porém, que a oferta de títulos ainda é baixa: há alguns anos, o volume de emissões no primeiro semestre ficava entre US$ 25 bilhões a US$ 30 bilhões.

Diversos fatores têm influenciado nas captações. Além da melhora na parte política, com a mudança de governo e a expectativa de que as reformas econômicas sejam feitas, o Fed (o banco central americano) sinalizou nesta semana que não deve subir os juros. Assim, os investidores continuam procurando juros mais atrativos. Outro ponto é que muitos fundos de investimento estão com porcentuais históricos muito baixos de exposição ao Brasil, e com espaço para recompor seus portfólios.

Custo. Diante desse apetite por Brasil, os custos para as empresas têm caído, na esteira da queda do risco País, que era de 500 pontos básicos no início do ano e caiu agora para 300. O economista Nathan Blanche, da Tendências Consultoria, lembra, porém, que o dinheiro que está fazendo com que o dólar caia, a Bolsa se valorize e as empresas captem recursos ainda é de curto prazo, de investidores que se aproveitam de situações momentâneas. “Não podemos esquecer que nosso risco já foi de 140”, diz. “Até outro, dia falava-se de insolvência fiscal em dois, três anos. Isso significa que, se as novas reformas não forem aprovadas, não teremos capital externo para investimento de longo prazo.”

O responsável pela área de mercado de capitais do banco Morgan Stanley, Alexandre Castanheira, diz que as empresas não estão neste momento captando para investir. A Marfrig, por exemplo, captou US$ 750 milhões e boa parte usou para recomprar títulos que venciam no curto prazo.

A única nova emissão, de empresa que não era conhecida dos investidores, foi a da Eldorado Celulose, que acabou tendo um pouco menos de demanda para seus papéis, segundo alguns executivos de bancos. Já a Vale, que pretendia emitir entre US$ 500 milhões e US$ 1 bilhão, acabou fechando em US$ 1,25 bilhão, com juros abaixo de 6% e demanda por US$ 5 bilhões. A maior captação do ano foi da Petrobrás, de US$ 6,75 bilhões, mas os juros ficaram acima de 8%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.