Dario Oliveira/ Estadão
Dario Oliveira/ Estadão

Bolsa fecha em queda de 0,7% e dólar sobe a R$ 3,76

Notícias em torno da Petrobrás levaram os papéis da estatal a oscilar; mercado reagiu ao novo presidente da empresa e à declaração de Jair Bolsonaro sobre eventual privatização

Broadcast

19 Novembro 2018 | 10h40
Atualizado 19 Novembro 2018 | 19h01

Com a liquidez reduzida por conta do feriado prolongado do Dia da Consciência Negra nesta terça-feira, 20, em São Paulo e outras cidades do País, e o menor apetite ao risco no exterior, os ativos domésticos tiveram um dia de perdas. O Ibovespa terminou em baixa de 0,7%, as 87,9 mil pontos, após renovar mínimas durante a tarde, seguindo o comportamento das Bolsas em Nova York. Além do mau humor externo, houve espaço para uma realização dos ganhos recentes.

Já o dólar caiu ante moedas fortes, mas avançou frente a boa parte dos emergentes. Estes últimos mercados foram penalizados por declarações do presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams, de que a economia dos EUA se sai "muito bem", com forte crescimento no emprego, reforçando que o ritmo de alta gradual dos juros deve ser mantido. O real teve o segundo pior desempenho entre 24 divisas emergentes, atrás apenas do peso mexicano, e o dólar à vista subiu 0,68%, a R$ 3,7637. A desvalorização do real impactou os juros futuros, que terminaram em alta nos principais contratos.

As notícias em torno da Petrobrás ganharam relevo nas negociações desta segunda-feira, 19. A começar pelo anúncio do futuro presidente, Roberto Castello Branco. As ações da estatal brasileira do petróleo abriram em queda, após leilão que durou quase 20 minutos, para depois virar para o positivo em uma sinalização de aprovação por parte dos agentes de mercado. Ainda na sessão matutina, as ações ordinárias já voltavam a tocar o terreno negativo, influenciadas pela queda do petróleo no mercado internacional. 

Também o presidente eleito Jair Bolsonaro declarou agora à tarde que é possível privatizar alguma parte da Petrobrás. No final do pregão, sem a presença mais forte dos investidores estrangeiros, tanto ON quanto PN encerraram em baixa de 0,07% e alta de 0,78%, respectivamente. De acordo com analistas, uma maior repercussão no preço das ações em relação ao comando da petroleira pode ser aguardada para quarta-feira.

Em Wall Street, as quedas ocorreram por causa do setor de tecnologia, principalmente a Apple, que entrou em queda após o Wall Street Journal reportar que a empresa reduziu em até um terço as encomendas de produção para os três modelos de iPhone lançados em setembro por causa da menor demanda. As ações da Boeing também tiveram forte baixa, refletindo a tensão comercial entre EUA e China. / Simone Cavalcanti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.