Reprodução
Reprodução

Após nova lei, protestos de caminhoneiros perdem fôlego

Bloqueios em rodovias tiveram nesta terça-feira a menor intensidade desde o início das manifestações, há duas semanas

O Estado de S. Paulo

03 de março de 2015 | 22h09

Um dia após a presidente Dilma Rousseff sancionar a Lei dos Caminhoneiros, os bloqueios em rodovias tiveram nesta terça-feira a menor intensidade desde o início dos protestos, há duas semanas. No final da tarde, a Polícia Rodoviária Federal registrava apenas sete pontos de interdições parciais no Rio Grande do Sul. Havia outras duas manifestações, mas sem bloqueio.

Os efeitos de duas semanas de bloqueios, porém, ainda afetam os Estados. A PRF passou a escoltar comboios para garantir o abastecimento de combustíveis, que já faltam em algumas cidades, principalmente no Rio Grande do Sul. Em Três Passos, as aulas na rede pública estão suspensas porque os ônibus que transportam alunos estão com os tanques vazios. Em Frederico Westphalen, a Universidade Federal de Santa Maria adiou o retorno às aulas para 1,2 mil alunos por falta de alimentos para as refeições no restaurante universitário.


Em Santa Catarina, manifestantes se concentravam em 13 locais, mas as pistas estavam liberadas. O dia começou com cinco trechos bloqueados no oeste catarinense, mas todos foram liberados. Em Itajaí, onde os caminhoneiros bloqueavam as vias de acesso ao porto, uma reunião à tarde terminou em acordo entre a categoria e as transportadoras. Ficou acertado um aumento de 10% no valor dos fretes para fora da cidade e de 15% para as entregas dentro de Itajaí. Os bloqueios atrasaram a movimentação de contêineres no terminal.

Em Brasília, caminhoneiros chegaram para participar de um “buzinaço” e tentar negociar com o governo mais benefícios à categoria. Cerca de 50 caminhões ficaram no estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha, mas o protesto foi adiado em decorrência da possibilidade de uma audiência hoje com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto.

No oeste do Estado de São Paulo, 200 caminhoneiros bloquearam a rodovia Raposo Tavares (SP-270) em Presidente Prudente e em Palmital, na região de Assis. No final da tarde, no entanto, a rodovia foi desimpedida nos dois trechos.

(Reportagem de José Maria Tomazela, Lucas Azevedo, Tomás Petersen, Fátima Lessa, Marília Assunção, Sandro Villar, Chico Siqueira e Victor Martins)

Tudo o que sabemos sobre:
caminhoneiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.