Após pacote dos EUA, bolsas asiáticas abrem em forte baixa

Índice Nikkei de Tóquio caía 235,46 pontos (2,15%); indicador Hang Seng, de Hong Kong, perdia 2,98%

Agências internacionais,

05 Outubro 2008 | 22h28

As bolsas asiáticas abriram em forte baixa no primeiro pregão após a aprovação do plano de resgate de US$ 700 bilhões pelo governo americano. Nem mesmo o anúncio neste domingo, 5, de que o governo alemão garantirá todas as contas bancárias privadas, sejam de poupança ou contas correntes, diminuiu as dúvidas dos investidores.   Veja também: Governo alemão promete garantir depósitos bancários Bush sanciona lei que prevê US$ 700 bilhões contra a crise Aprovação do pacote protege o povo americano, diz Paulson Aprovação demonstra compromisso do governo, diz Bernanke Recurso extra reduz impopularidade de plano, diz economista Crise afetará neoliberalismo, dizem analistas Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA     O índice Nikkei da bolsa de Tóquio caía 235,46 pontos (2,15%), aos 10.702,68 pontos. Já o segundo indicador, o Topix, que reúne todos os valores da primeira jornada, perdia 25,17 pontos (2,40%), para 1.022,80. Ao meio-dia, a bolsa já operava em baixa de 3,6%.   O euro começou cotado ao câmbio de 142,68 ienes, frente aos 145,30 ienes do último fechamento. Com o dólar, o euro era negociado a US$ 1,3650, frente a US$ 1,3836 da sexta-feira. O dólar abriu negociado a 104,52 ienes no mercado de divisas de Tóquio, frente aos 105,01 ienes do fechamento da sexta-feira.   A Bolsa de Valores de Xangai também abriu em baixa de 2,78%, aos 2.230,12 pontos, após ter fechado no dia 26 de setembro, último dia de atividade no pregão chinês antes da "semana dourada" de férias por causa da celebração do Dia Nacional.   O índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong perdia 526,19 pontos, equivalentes a 2,98%, até se situar em 17.156,21 pontos na abertura.   Em Jacarta, o indicador JKSE abriu em forte queda de 91,03 pontos (4,97%), aos 1.741,48. Já o índice Straits Times, de Cingapura, caía 68,03 pontos (2,96%), para 2.229,09.   A bolsa de Manila, nas Filipinas, perdia  36,18 pontos (1,41%), aos 2.530,03. O indicador composto KLCI da bolsa de Kuala Lumpur abriu em baixa de 8,71 pontos (0,86%), aos 1.007,99.   Já o índice SET da Bolsa de Valores de Bangcoc, na Tailândia, abriu praticamente estável, com leve baixa de 12,44 pontos (0,02%), aos 577,61.   O governo alemão anunciou neste domingo, 5, que garantirá todas as contas bancárias privadas. Um anúncio feito anteriormente referia-se apenas aos depósitos de poupança, mas mais tarde o porta-voz do ministério da Fazenda, Torsten Albig, disse que a decisão de garantia ilimitada envolveria todos os depósitos, cobrindo cerca de US$ 800 bilhões em poupança, conta corrente e certificados. Com isso a Alemanha, maior economia européia, se junta a Irlanda e Grécia como mais um membro da União Européia a adotar medidas em separado para enfrentar a crise dos mercados.   Os governos da Bélgica e de Luxemburgo também lutam para proteger depositantes e dezenas de milhares de empregos por meio da busca de um possível comprador para parte do banco Fortis, depois da nacionalização da parcela holandesa da instituição.   Na sexta-feira, 3, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, assinou a lei que autoriza a utilização de US$ 700 bilhões para que o Tesouro compre ativos podres de instituições financeiras e mais US$ 150 bilhões em incentivos fiscais e garantias a pequenos e médios bancos. O projeto foi aprovado durante a tarde pela Câmara dos Representantes por 263 votos a 171.   Texto atualizado à 1h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.