Após plano aprovado nos EUA, dólar sobe 1,14%; bolsas caem

Volatilidade toma conta do mercado depois da aprovação do pacote; Bovespa opera em baixa e NY oscila

Da Redação,

03 Outubro 2008 | 16h35

Em sessão de forte volatilidade, o dólar fechou em alta de mais de 1%, em meio ao nervosismo com crise financeira global mesmo com a aprovação do plano de resgate ao setor financeiro nos Estados Unidos. A moeda norte-americana terminou o dia cotada a R$ 2,044 - a maior desde agosto de 2007 -, com valorização de 1,14%. Durante a sessão, a divisa chegou a subir 2,23%, para R$ 2,066. Na mínima do dia, ela bateu R$ 1,999, uma queda de 1,09%.  Veja também:Bush sanciona lei que prevê US$ 700 bilhões contra a criseAprovação do pacote protege o povo americano, diz PaulsonAprovação demonstra compromisso do governo, diz BernankeRecurso extra reduz impopularidade de plano, diz economistaCrise afetará neoliberalismo, dizem analistasEspecialistas dão dicas de como agir no meio da criseEntenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA A cronologia da crise financeira Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA  A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) oscilou após a aprovação do pacote de ajuda ao mercado financeiro nos Estados Unidos. As ações já vinham em alta antes da decisão - acima de 2%. Com a aprovação, começaram a cair. Às 16h34, a baixa era de 2,29%. Em Nova York, as bolsas subiam mais de 2% antes da aprovação, mas passaram a oscilar. Às 16h32, o índice Dow Jones subia 0,03%. A Nasdaq tinha alta de 0,06%.  O presidente norte-americano, George W. Bush, sancionou nesta sexta o pacote de US$ 700 bilhões para ajudar empresas que estão passando por dificuldades devido à crise econômica que atinge o país. O projeto foi aprovado nesta tarde pela Câmara dos Representantes (deputados federais) dos Estados Unidos por 263 votos a favor e 171 contra. Os representantes haviam rejeitado uma versão anterior do pacote na última segunda-feira, o que desencadeou quedas significativas nas principais bolsas de valores do mundo.  O projeto foi então modificado, incluindo mais US$ 150 bilhões em gastos, e aprovado na quarta-feira pelo Senado, por 74 votos a favor e 25 votos contrários. O principal objetivo do plano é comprar os papéis podres de instituições financeiras em dificuldades. Com as mudanças, o projeto passou a incluir mais proteção a poupanças e alguns cortes fiscais. A medida beneficiaria os contribuintes americanos.A votação mais apertada na Câmara reflete em parte o fato de que os Congressistas estão a menos de cinco semanas das eleições federais e os eleitores estão cada vez mais preocupados com o tema econômico, mas não se mostravam favoráveis à aprovação do pacote. Os defensores do pacote nos últimos dias fizeram um esforço coordenado para traçar uma linha divisória entre os problemas de Wall Street e os temores dos contribuintes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.