Após plano aprovado nos EUA, dólar sobe 1,14%; bolsas caem

Volatilidade toma conta do mercado depois da aprovação do pacote; Bovespa opera em baixa e NY oscila

Da Redação,

03 Outubro 2008 | 16h35

Em sessão de forte volatilidade, o dólar fechou em alta de mais de 1%, em meio ao nervosismo com crise financeira global mesmo com a aprovação do plano de resgate ao setor financeiro nos Estados Unidos. A moeda norte-americana terminou o dia cotada a R$ 2,044 - a maior desde agosto de 2007 -, com valorização de 1,14%. Durante a sessão, a divisa chegou a subir 2,23%, para R$ 2,066. Na mínima do dia, ela bateu R$ 1,999, uma queda de 1,09%.   Veja também: Bush sanciona lei que prevê US$ 700 bilhões contra a crise Aprovação do pacote protege o povo americano, diz Paulson Aprovação demonstra compromisso do governo, diz Bernanke Recurso extra reduz impopularidade de plano, diz economista Crise afetará neoliberalismo, dizem analistas Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA    A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) oscilou após a aprovação do pacote de ajuda ao mercado financeiro nos Estados Unidos. As ações já vinham em alta antes da decisão - acima de 2%. Com a aprovação, começaram a cair. Às 16h34, a baixa era de 2,29%. Em Nova York, as bolsas subiam mais de 2% antes da aprovação, mas passaram a oscilar. Às 16h32, o índice Dow Jones subia 0,03%. A Nasdaq tinha alta de 0,06%.   O presidente norte-americano, George W. Bush, sancionou nesta sexta o pacote de US$ 700 bilhões para ajudar empresas que estão passando por dificuldades devido à crise econômica que atinge o país. O projeto foi aprovado nesta tarde pela Câmara dos Representantes (deputados federais) dos Estados Unidos por 263 votos a favor e 171 contra. Os representantes haviam rejeitado uma versão anterior do pacote na última segunda-feira, o que desencadeou quedas significativas nas principais bolsas de valores do mundo.   O projeto foi então modificado, incluindo mais US$ 150 bilhões em gastos, e aprovado na quarta-feira pelo Senado, por 74 votos a favor e 25 votos contrários. O principal objetivo do plano é comprar os papéis podres de instituições financeiras em dificuldades. Com as mudanças, o projeto passou a incluir mais proteção a poupanças e alguns cortes fiscais. A medida beneficiaria os contribuintes americanos. A votação mais apertada na Câmara reflete em parte o fato de que os Congressistas estão a menos de cinco semanas das eleições federais e os eleitores estão cada vez mais preocupados com o tema econômico, mas não se mostravam favoráveis à aprovação do pacote. Os defensores do pacote nos últimos dias fizeram um esforço coordenado para traçar uma linha divisória entre os problemas de Wall Street e os temores dos contribuintes.

Mais conteúdo sobre:
Crise Financeira Crise nos EUA Dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.