Após prejuízo, Gol segue TAM e anuncia corte de voos nacionais

A Gol anunciou ontem que cortará entre 2% e 4% sua oferta de voos no segundo semestre, seguindo um movimento da TAM, que anunciou cortes de até 10% na sua operação. O comunicado foi feito no mesmo dia em que a empresa divulgou prejuízo líquido de R$ 354,9 milhões, um aumento de 144,8% ante o prejuízo registrado em igual período do ano passado. A companhia também registrou no período um prejuízo operacional de R$ 251,1 milhões, interrompendo uma evolução de nove trimestres consecutivos no resultado operacional da empresa aérea.

O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2015 | 02h04

O resultado das companhias aéreas brasileiras vem sendo afetado este ano pela retração da economia e pela alta do dólar. "Estamos percebendo uma decisão de compra mais tardia de número relevante de passageiros tanto de lazer quanto de negócios. Eles têm sido mais conservadores", afirmou o vice-presidente financeiro da Gol, Edmar Lopes.

A empresa até conseguiu vender mais passagens e viu sua demanda por voos domésticos crescer 10,7% no mês de julho em comparação com igual mês do ano passado, levando a taxa de ocupação da empresa para o nível recorde de 84,3%. Mas a receita líquida no trimestre caiu 10,5%, para R$ 2,5 bilhões, no período. A queda se deve a uma redução de preços da ordem de 17% na Gol.

A Latam, empresa aérea que reúne a operação da TAM e da LAN, divulgou anteontem queda de 19,4% de preços em dólar, número que reflete a desvalorização das moedas latinas em relação ao dólar e o enfraquecimento do mercado brasileiro. A receita obtida por cada assento oferecido pela TAM caiu 12,1% no segundo trimestre em reais, sinalizando que a queda de preços vai além do efeito cambial.

"Os culpados (do prejuízo da Gol) foram os yield (indicador de preço nas companhias aéreas), que recuaram 17% na comparação anual e o real mais fraco, que pressionaram custos e dívida", comentaram os analistas do BTG Pactual. / M.G. e BETH MOREIRA

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.