Após 'prever' crise, Roubini espera 'ano duro' para emergentes

Em debate em Davos, analista diz que países com melhores fundamentos sofrerão menos.

Rogerio Wassermann, BBC

23 de janeiro de 2008 | 14h45

O economista Nouriel Roubini, professor da New York University e um dos primeiros analistas econômicos a prever uma crise no mercado de crédito imobiliário americano, afirmou nesta quarta-feira que os países emergentes não terão como escapar de "um ano duro" pela frente.Durante a sessão de abertura do Fórum Econômico Mundial, que começou nesta quarta-feira em Davos, na Suíça, Roubini acrescentou que os países "com os melhores fundamentos econômicos vão se sair melhor (na crise) do que os que têm piores fundamentos".Para o economista, o bom momento verificado pelos países emergentes nos últimos anos não foi somente uma conseqüência das políticas econômicas adotadas por eles, mas também da sorte pelo bom momento da economia mundial.Roubini fez as declarações ao ser questionado se adotaria a mesma postura que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que afirmou estar tranqüilo e não ver uma ameaça ao Brasil em conseqüência da crise, apesar de dizer que está acompanhando de perto seus desdobramentos.DesaceleraçãoOutro importante analista, Stephen Roach, economista-chefe do banco de investimentos americano Morgan Stanley na Ásia, reforçou a avaliação de que o Brasil e os demais países emergentes não terão como escapar dos impactos que uma possível recessão nos Estados Unidos pode ter sobre a economia global.Roach, que também alertou para o risco de uma recessão americana antes da confirmação da crise de crédito imobiliário nos Estados Unidos, afirmou estar otimista sobre o potencial de crescimento dos países emergentes neste ano, principalmente China e Índia.O analista, no entanto, advertiu que somente esse crescimento pode não ser capaz de compensar a desaceleração americana em termos globais.Segundo Roach, a noção de que a economia dos países emergentes pode se desgrudar e se tornar independente da dos países ricos pode se mostrar "uma fantasia".O ministro indiano para o Comércio e a Indústria, Kamal Nath, também presente na abertura do fórum, em uma mesa de discussões sobre o panorama da economia global para 2008, também disse acreditar ser impossível para os países emergentes ficarem totalmente imunes a uma recessão americana.Para Nath, porém, o impacto da crise americana poderá "não ser o que já foi no passado".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.