Após proibição judicial de bloqueios, caminhoneiros do RS fazem protesto pacífico

No caso de interdição das estradas federais, a multa prevista seria de R$ 50 mil

Tássia Kastner, da Agência Estado,

25 de julho de 2012 | 16h29

PORTO ALEGRE - O movimento dos caminhoneiros autônomos, que pretendia bloquear algumas das principais rodovias gaúchas desde a zero hora desta quarta-feira, 25, acabou transformado em protesto pacífico, com churrascada durante o dia nos postos à beira de estradas, tradicional no dia do Motorista, comemorado hoje. Organizado pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), o protesto com barreiras ao trânsito nas estradas foi proibido na noite de ontem (24) pela Justiça Federal, atendendo a um requerimento da Polícia Rodoviária Federal. No caso de interdição ou bloqueio das estradas federais, a multa prevista seria de R$ 50 mil.

Para Osmar Lima, representante do MUBC, a solução do protesto pacífico teve bom reflexo junto à população. "Nosso protesto é paz e amor, assim causamos uma boa impressão", disse, explicando que, se fosse possível, teriam bloqueado as vias.

Além do protesto pacífico, um grupo de motoristas, que se disse independente, chegou a obstruir o KM 66 da BR-392, no trecho entre Pelotas e Rio Grande, por meia hora. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, um motorista que tentou passar pelo bloqueio teve os pneus do caminhão furados. Ontem, o grupo planejava bloqueios, que não foram feitos, nas rodovias BR-392, no acesso a Júlio de Castilhos; BR-101, em Três Cachoeiras e Terra de Areia; BR-287, acesso a Ijuí, Ponte de Uruguaiana, Paso de los Libres, na Argentina e Rio Grande, acesso ao Tecom no porto.

Para o chefe de comunicação da Polícia Rodoviária Federal no Estado, Alessandro Castro, o pequeno impacto do movimento no trânsito de cargas ocorreu devido ao trânsito reduzido às quartas-feiras, além das paradas dos motoristas para comemorações. Segundo a MUBC, os autônomos devem recusar cargas pelo menos até a próxima segunda-feira, como forma de protesto.

Tudo o que sabemos sobre:
gREVECAMINHONEIROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.