Marlon Costa|Estadão
Marlon Costa|Estadão

Varejo interrompe queda e sobe 2% em novembro, mas deve ter maior baixa desde 2001

Com ajuda da Black Friday, setor teve alívio em novembro, mas deve fechar 2016 com retração maior do que em 2015

Daniela Amorim, Broadcast

10 de janeiro de 2017 | 09h41
Atualizado 10 de janeiro de 2017 | 11h34

RIO - As vendas do comércio varejista subiram 2% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira, 10, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  O desempenho foi o mais positivo desde julho de 2013, quando as vendas aumentaram 2,9%, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE.

Na comparação com novembro de 2015, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram baixa de 3,5%. As vendas do varejo restrito acumulam retração de 6,40% no ano e recuo de 6,50% em 12 meses. Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 0,60% em novembro ante outubro, mas caíram 4,5% em relação a um ano antes.

Com isso, a coordenadora da pesquisa, Isabella Nunes, prevê que o comércio varejista brasileiro terminará 2016 com o pior resultado da série histórica, iniciada em 2001.

"Não tem capacidade estatística para reverter essa queda em 2016. Certamente a queda de 2016 não vai ser menor do que a de 2015", estimou Isabella. Em 2015, o varejo teve uma perda de 4,3%, até então o resultado mais negativo da série histórica da pesquisa.

Compras antecipadas. As promoções de novembro, especialmente a Black Friday, impulsionaram as vendas no varejo em relação ao mês anterior, num movimento de antecipação de compras para o Natal. "Resultado do varejo é bom, mas pontualmente. É um resultado positivo, mas não reverte a trajetória negativa que o varejo vem mostrando já há algum tempo", declarou Isabella. 

As atividades que mais influenciaram o avanço no varejo em novembro foram impulsionadas pela Black Friday, como supermercados, eletrodomésticos, lojas de departamento, e equipamentos para informática e comunicação. A coordenadora da pesquisa explica que mesmo os supermercados não necessariamente venderam apenas alimentos, mas também equipamentos eletrônicos.

"O supermercado também tem outras gamas de produtos, mais variada, que envolvem eletrônicos e eletrodomésticos, que são bastante demandados nessa Black Friday", lembrou a pesquisadora do IBGE.

Apesar da melhora em novembro, as vendas no varejo ainda estão 11,8% abaixo do patamar mais alto, registrado em novembro de 2014. Já no varejo ampliado, que inclui os segmentos de veículos e material de construção, o volume vendido está 22,1% abaixo do patamar mais elevado, alcançado em agosto de 2012. "O varejo não se recupera em relação ao ano anterior em nenhuma atividade", ressaltou Isabella.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.