Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Após queda recorde em Wall Street, bolsas asiáticas sobem

No Japão, banco central decide manter taxa de juros em 0,3% e índice Nikkei aumenta 2,69%

Agências internacionais,

21 de novembro de 2008 | 05h20

Os principais mercados asiáticos fecharam o pregão desta sexta-feira, 21, com fortes altas, apesar de terem aberto em baixa, seguindo a queda recorde de Wall Street na quinta-feira. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio fechou em alta de 207,75 pontos (2,69%), aos 7.910,79. O índice Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, subiu 20,41 pontos (2,60%), para 802,69. O comitê de política monetária do Banco do Japão (banco central japonês) decidiu por unanimidade deixar inalterada a taxa básica de juros do país ("overnight call loan rate") em 0,3%, a mais baixa do G-7, o grupo das sete nações mais ricas do mundo. A decisão já era esperada pelo mercado. Foi a primeira reunião do comitê desde o corte dos juros efetuado em 31 de outubro, quando a taxa caiu de 0,5% para 0,3%. O órgão alertou que a economia do Japão continuará lenta por algum tempo e que os riscos de retração estão aumentando.  Em Seul, o índice Kospi da Bolsa de Seul subiu 55,04 pontos (5,80%), para 1.003,73. O indicador de valores tecnológicos Kosdaq subiu 17,06 pontos (6,25%), aos 290,12.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.