bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Após queda recorde, IGP-10 sobe 0,54% em fevereiro

Índice foi puxado por preços no atacado, que teve aumento de 0,52%, após registrar deflação em janeiro

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

13 de fevereiro de 2009 | 09h28

O IGP-10 subiu 0,54% em fevereiro. A informação foi divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que calcula o índice inflacionário. Em janeiro, o índice teve deflação de 0,85%, variação menor da história desse indicador, que começou a ser calculado em 1993. O resultado, anunciado nesta sexta-feira, 13, ficou dentro das estimativas das previsões dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam uma taxa entre 0,18% e 0,66%, sendo superior à mediana das expectativas (0,37%).   Veja também: Radar da inflação   No caso dos três indicadores que compõem o IGP-10 de fevereiro, o Índice de Preços por Atacado - 10 (IPA-10) teve aumento de 0,52% esse mês, após registrar deflação de 1,50% em janeiro. Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor - 10 (IPC-10) subiu levemente, e apresentou avanço de 0,64% em fevereiro, em comparação com o avanço de 0,62% em janeiro. Já o Índice Nacional de Custos da Construção - 10 (INCC-10) avançou 0,43% esse mês, após apresentar aumento de 0,17% em janeiro.   Os preços dos produtos agrícolas no atacado subiram 3,24% em fevereiro, após apresentarem deflação de 1,56% em janeiro, no âmbito do IGP-10. A instituição esclareceu ainda que os preços dos produtos industriais no atacado registraram taxa negativa de 0,45% esse mês, após caírem 1,47% em janeiro.   No varejo, o IPC-10 acumula altas de 1,27% no ano e de 5,86% em 12 meses até fevereiro. O IPC-10 representa 30% do total do IGP-10. De acordo com a fundação, das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, cinco apresentaram desaceleração de preços, ou deflação, de janeiro para fevereiro. É o caso de Alimentação (de 0,81% para 0,70%); Habitação (de 0,29% para 0,28%); Vestuário (de 0,40% para -0,37%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,62% para 0,45%); %); e Transportes (de 0,83% para 0,55%).   As outras duas classes de despesa apresentaram aceleração de preços, no mesmo período. É o caso de Educação, Leitura e Recreação (de 1,22% para 2,78%) e de Despesas Diversas (de 0,29% para 0,40%).   Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram alta de 1,17% em fevereiro, em comparação com o recuo de 0,93% em janeiro.   Por sua vez, os preços dos bens intermediários continuaram em queda, e tiveram deflação de 1,13% em fevereiro, após apresentarem taxa negativa de 1,80% em janeiro. Já os preços das matérias primas brutas subiram 2,26% em fevereiro, em comparação com a queda de 1,67% em janeiro.  

Tudo o que sabemos sobre:
IGP-10inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.