Após recorde, petróleo recua à espera de dados nos EUA

Expectativa é de que relatório mostre aumento nas reservas do país; na terça, barril chegou perto dos US$ 120

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

23 de abril de 2008 | 09h13

Os contratos futuros de petróleo operam em queda, um dia após terem chegado perto dos US$ 120 por barril, com investidores realizando lucros antes dos dados de estoques semanais nos Estados Unidos. A expectativa do mercado é de que o relatório mostre aumento nas reservas da commodity. Às 9h03 (de Brasília), o petróleo WTI para junho cedia 0,66%, para US$ 117,29 por barril. Na ICE, o petróleo Brent para junho recuava 0,66%, para US$ 115,19 o barril.   Veja também:   Barril da Opep bate sétimo recorde histórico seguido  Petróleo bate recorde com sinais de demanda forte na China Estamos pagando por política de energia ineficaz, diz Bush Opep vai aumentar produção em 5 mi de barris diários até 2012 A maior jazida de petróleo do País A exploração de petróleo no Brasil    O Departamento de Energia dos EUA divulga os dados sobre estoques na semana encerrada em 18 de abril a partir de 11h30 (de Brasília). A previsão do mercado é de aumento de 1,1 milhão de barris nos estoques de petróleo, queda de 2,1 milhão de barris nas reservas de gasolina e declínio de 300 mil barris nos estoques de destilados.   Os investidores também monitoram a valorização do dólar em relação ao euro. Ontem, o enfraquecimento da moeda norte-americana ajudou a impulsionar o petróleo para a máxima histórica intraday de US$ 119,90 na Nymex eletrônica, já que muitos investidores vêem as commodities como uma proteção contra a inflação e o declínio do dólar.   O mercado acompanha ainda problemas de restrições de oferta e operadores não descartam uma nova elevação dos preços dos contratos de petróleo. A Nigéria foi forçada a interromper mais produção depois de ataques na segunda-feira aos oleodutos Soku-Buguma e Buguma-Alakiri, operados pela Royal Dutch Shell PLC. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.